A Receita Federal divulgou nesta segunda-feira (3) que o volume de apreensões de mercadorias piratas em Roraima chegou a R$ 3,7 milhões em 2019. Os produtos aprendidos são resultados de fiscalizações contra o contrabando e descaminho.

Do total de mercadorias, os itens que lideraram a lista de bens apreendidos foram eletrônicos, peças de vestuário que entram clandestinamente no estado pela fronteira com a Guiana, na região Norte, e ouro ilegal.

Em 2018 foram apreendidos R$ 5,3 milhões em mercadorias ilegais e R$ 6,2 milhões em 2017.

Na avaliação do delegado chefe da Receita Federal no estado, Roberto Santos, a entrada dessas mercadorias de maneira ilegal no país gera prejuízo. Só em janeiro deste ano, as apreensões já contabilizam R$ 80 mil.

“Há uma concorrência desleal com o empresário estabelecido no Brasil, que paga seus impostos, seus empregados e que paga as obrigações sociais dos seus empregados. Então, um produto introduzido ilicitamente no mercado nacional, ele traz essa concorrência desleal, tirando os empregos dos brasileiros”, disse.

Quem é flagrado com materiais falsificados, além de perder todos eles, pode ser presa e responder pelos crimes de contrabando ou descaminho.

As mercadorias apreendias que não podem ser leiloadas são incorporadas ao patrimônio público, doadas ou destruídas.

Em todo o país, as apreensões de contrabando chegaram a R$ 3,25 bilhões. O número foi considerado recorde pela Receita Federal.

Informações: G1 Roraima – foto: Gabriela Garcia