Servidores do Hospital Geral de Roraima (HGR) denunciaram à reportagem, nesta sexta-feira (22), que pacientes com e sem diagnóstico para coronavírus estão há 48 horas sem tomar banho, porque falta compressa. Além disso, os profissionais reclamam da falta de Equipamentos de Proteção Individual (EPIs).

“Alguns servidores usaram ataduras para dar banho nos pacientes, mas isso não pode ser feito”, denunciou um servidor, em caráter reservado. Ele acrescentou que pacientes que testaram positivo para a Covid-19 se misturam àqueles que não estão infectados. “Um verdadeiro caos”, resumiu.

Quanto aos equipamentos de proteção, os funcionários relataram que não há máscara, avental e proteção para os pés. O álcool em gel disponibilizado também não é suficiente, segundo eles. Por causa disso, os servidores não têm como fazer procedimentos junto aos pacientes.

“Ou não tem [EPIs] ou não querem entregar. Álcool líquido não tinha há mais de um mês, ontem que apareceu um pouco. Além disso, querem tirar as conexões de vácuo do Grande Trauma e levar para outro bloco, deixando apenas aspiradores portáteis que não têm poder de sucção, comprometendo a saúde de pessoas”, lamentou outra servidora.

Ainda de acordo com os profissionais, os itens usados para realização de testes em pessoas com suspeita de coronavírus foram recolhidos, sob alegação de que o lote do material havia apresentado problemas. Tomografia também deixou de ser feita, conforme a denúncia.

“Querem abrir uma nova ala para atendimento, mas não tem profissional treinado, nem estrutura para atender pessoas em situação mais crítica”, acrescentou. O Conselho Regional de Medicina (CRM) já denunciou a falta de leitos de Unidade de Terapia Intensiva (UTI) e a ausência de equipamentos necessários aos cuidados de pacientes críticos.

CITADA

O jornal entrou em contato com a Secretaria de Estado da Saúde (Sesau) e aguarda retorno.

Informações: Roraima em Tempo