Um levantamento da Controladoria-Geral da União (CGU) identificou que 2.606 pessoas em Roraima podem ter recebido o auxílio emergencial do Governo Federal sem estar dentro das regras estabelecidas. Em três meses, cerca de R$ 2 milhões podem ter sido pagos de maneira irregular no estado.

Entre as pessoas que receberam indevidamente estão servidores públicos estaduais e municipais, foragidos da Justiça e pessoas com alto padrão vida, como donos de carros de luxo, lanchas e até quem doou valores acima de R$ 10 nas eleições de 2018.

As suspeitas da CGU surgiram a partir de um cruzamento de dados feito pelo órgão. Inicialmente, foi identificado que 271 foragidos da justiça receberam o auxílio.

Na sequência, a CGU, em parceria com o Tribunal de Contas do Estado de Roraima (TCE-RR), identificou que 1.729 servidores públicos estaduais e municipais também receberam o benefício.

No último cruzamento, a CGU detectou que 606 pessoas com indícios de alto padrão de vida receberam o auxílio: 244 sócios de empresas, 64 donos de embarcações, 285 donos de carros de luxo, 13 pessoas que doaram valores acima de R$ 10 mil para campanha eleitoral em 2018.

O benefício do governo federal tem como objetivo minimizar impactos econômicos negativos causados pela pandemia de coronavírus para trabalhadores informais, microempreendedores individuais, autônomos e desempregados.

A Controladoria verificou que 12.384 beneficiários de Roraima não têm endereço de moradia cadastrado no estado. O dado foi revelado com base no CPF dos inscritos.

“Tendo em vista a situação atípica que se encontra o Estado de Roraima, causada pela imigração de venezuelanos, é salutar que essa informação seja objeto de análise aprofundada”, explicou a CGU.

Informações: G1 Roraima – Foto: Agência Brasil