A prefeita Teresa Surita entregou nesta terça-feira, 30, a obra do bloco C do Hospital da Criança Santo Antônio (HCSA), 100% climatizada, onde funcionam as áreas de urgência, emergência e Unidade de Tratamento Intensivo (UTI). O hospital é a unidade de referência no Estado que atende crianças tanto da capital como de outros municípios e de países vizinhos.

Com a reforma do bloco C, foram construídos novos consultórios, além da revitalização de salas de nebulização, de suturas, curativos, assistência social, enfermarias e outros serviços. A obra foi finalizada em meio a um momento de desafios enfrentados pela prefeitura por conta da crise migratória.

Durante o evento, a prefeita Teresa falou sobre o impacto causado pelo aumento da demanda de atendimentos na unidade e de como a equipe conseguiu manter a qualidade do serviço mesmo em meio às obras.

“Estamos entregando mais um bloco, o qual considero o mais importante de toda a recuperação do hospital. Setores de urgência e emergência agora bem mais humanizados, totalmente reformados e reconstruídos, dentro de todos os padrões exigidos, além, é claro, de contarmos com atendimentos feitos por profissionais comprometidos com a saúde dos nossos pequenos. É dessa maneira que conseguimos enfrentar o problema da imigração, recebendo pessoas e crianças diariamente e oferecendo um serviço de qualidade”, destacou.

Após o período de reformas, o bloco foi ampliado e modernizado. As paredes das novas instalações carregam agora adesivos de super-heróis e personagens infantis para garantir aos pequenos pacientes um ambiente lúdico e alegre.

O tema foi idealizado para homenagear tanto crianças como os profissionais que se caracterizam todas as sextas-feiras para tender os pequenos na Sexta Colorida. Esse projeto já é replicado em outras capitais, seguindo o exemplo do HCSA.

A nova sala de UTI recebeu uma sala reservada para os pais, onde os médicos podem conversar sobre a situação clínica das crianças juntos com as famílias.

Em 2013 haviam 3 leitos no trauma e hoje são 5. Outros 34 leitos de enfermarias de observação e hoje são 41. Hoje também existem três salas de vacinação, enquanto que anos atrás só havia uma.

Atendimentos a venezuelanos aumentaram 18.000% entre 2016 e 2018

Além de atender crianças dos 14 municípios, o único hospital infantil do Estado, localizado em Boa Vista, tem registrado grande aumento nas demandas por conta da chegada à capital de centenas de venezuelanos diariamente.

Para se ter uma ideia, em 2016, apenas 66 venezuelanos foram atendidos no Hospital da Criança. Uma média de 5 crianças por mês. Em 2018, esse número passou para 11.764 atendimentos. Uma média de 980 crianças por mês.

Em porcentagem, o aumento ficou em cerca de 18.000% nos atendimentos a venezuelanos, muito maior ao de brasileiros atendidos nesse mesmo período, que ficou em 38%.

Novos veículos

Na oportunidade, também foram entregues quatro novas pick-ups que serão utilizadas nas ações de combate ao mosquito Aedes aegypti e malária pela capital e também nas ações de imunização.

Os recursos tanto da obra do hospital como dos veículos foram adquiridos por meio de emendas do presidente do MDB, ex-senador Romero Jucá, da ex-deputada federal Maria Helena e com recursos da própria prefeitura.

“Muito emocionado e ao mesmo tempo grato de poder ter contribuído com essa grande obra que faz parte de um grande patrimônio e da gestão da prefeita Teresa Surita, que está de parabéns pelo grande legado”, parabenizou Romero Jucá.

O secretário municipal de saúde, Cláudio Galvão agradeceu a parceria dos ex-parlamentares e reafirmou o compromisso da gestão. “Agradecemos a parceria de confiança. Entregamos hoje um novo bloco mais estruturado e humanizado, apesar de todo o enfrentamento da crise migratória temos conseguido entregar a nossa população uma saúde de qualidade. Agora vamos passar para a reforma de outros blocos”.

Mudanças

Em 2013 havia 3 leitos no trauma que hoje passaram para 5. Dos 34 leitos de enfermarias de observação, hoje temos 41. De uma, agora o hospital conta com 3 salas de medicação. De 6 salas de nebulização, hoje são 16. E foram implantadas também salas para o setor de apoio para guarda municipal e de Serviço Social