O deputado Federal Jhonatan de Jesus, filho do senador Mecias de Jesus, e outros três deputados Federais de Roraima, Édio Lopes, Joenia Wapichana e Otaci Nascimento votaram contra a manutenção do Conselho de Controle de Atividades Financeiras – Coaf no Ministério da Justiça sob o comando do ministro Sérgio Moro.

No início deste mês, Sérgio Moro declarou, durante audiência pública na Câmara dos Deputados, que a permanência do Coaf no Ministério da Justiça era estratégica para combate à corrupção e lavagem de dinheiro.

O Coaf é setor (conselho) responsável por produzir Inteligência financeira e promover a proteção dos setores econômicos contra lavagem de dinheiro e o financiamento do terrorismo. O Coaf recebe, examina e identifica ocorrências suspeitas de atividade ilícita e comunica às autoridades competentes para instauração de procedimentos.

Além disso, coordena a troca de informações para viabilizar ações rápidas e eficientes no combate à ocultação ou dissimulação de bens, direitos e valores. O Conselho aplica penas administrativas nos setores econômicos para os quais não exista órgão regulador ou fiscalizador próprio. A partir de agora, o Coaf será de responsabilidade do Ministério da Economia.

Qual seria o medo de Jhonatan e seus colegas parlamentares de Roraima?