45 MOTIVOS?

Quem andou pelas ruas da capital Boa Vista nos últimos dias percebeu diversas propagandas de Natal da deputada Shéridan. Um detalhe, contudo, chama a atenção: o número 45 na mensagem de fim de ano. Seria propaganda eleitoral antecipada? Para quem não sabe, o número é do PSDB, partido da parlamentar. Foi por ele que ela venceu, por pouco, as eleições do ano passado. Com a ajuda do ex-marido e governador de Roraima, o falecido José de Anchieta, ela garantiu mais quatro anos no Congresso Nacional. A diferença de votos foi exorbitante. De quase 40 mil, em 2014, ela atingiu pouco mais de 12 mil votos no ano passado. Voltando… Nos bastidores da política local, o nome da deputada é cogitado para disputar a prefeitura de Boa Vista. Ela já busca, há meses, alianças para tentar o pleito. A mensagem nos outdoors da cidade sinaliza o número dela nas próximas eleições? É no mínimo questionável.

MANDATOS

Indo para o sexto ano de mandato, a deputada Shéridan não mostrou o porquê faz parte do Congresso Nacional. Entre os nomes de Roraima em Brasília, o dela sempre foi o mais fraco. Se a atuação dela fosse exemplar teria garantido, pelo menos, mais votos. Não conseguiu! A parlamentar ganhou ação no STF durante os anos e usou um discurso pobre de recursos e ações no ano passado para tentar (e conseguir) manter-se na Câmara. Os mais próximos à campanha dela afirma que a aproximação com Anchieta foi jogada de mestre. Além disso, quando ia às cidades do interior, sempre se lembrava da época em que foi primeira-dama e como os programas que ela alega ter criado poderiam voltar à ativa se Anchieta ganhasse. Explicaremos melhor. Ela discursava: “Se era bom quando eu atuava como primeira-dama, imagina agora Anchieta no governo e eu na Câmara”. Pelo visto deu certo. Garantiu os votos que a reconduziram ao Congresso Nacional. Mas na prática, nada de efeito foi feito.

GASTOS

O portal da Câmara dos Deputados revela que desde que assumiu o cargo de deputada, Shéridan consumiu todos os anos quase a totalidade do que tinha direito da verba de gabinete. De 2015 a 2019 ela já utilizou R$ 5,6 milhões. Em contrapartida, ainda conforme o portal, 182 propostas legislativas foram criadas por ela, uma média de três projetos por mês nos últimos cinco anos. Entretanto, apenas 40% das propostas foram relatadas. Ah! Vale lembrar que no ano passado foram míseros quatro projetos apresentados. O que ela fez durante todo o ano? O portal da Câmara detalha ainda mais. Ela recebeu R$ 57 mil de auxílio-moradia e tem salário mensal de R$ 33,7 mil, para apenas seis discursos em plenário. 36 faltas não justificadas em comissões e outras 12 em plenário. Nota-se, portanto, que existe uma regalia enorme para pouco trabalho. Mesmo assim, a Coluna abre espaço para a deputada apresentar contrapontos e justificativas.

PROPAGANDA

Estampar 45 pelas ruas da cidade leva a uma análise similar ao que ocorreu na campanha do ano passado com Jair Bolsonaro e Antonio Denarium. O The Intercept Brasil mostrou que uma investigação da Polícia Federal investiga a propaganda eleitoral irregular através dos 17 centavos grifados nos panfletos dos produtos em supermercados da capital. Seria a mesma situação com a atual parlamentar, que demonstra querer disputar o pleito municipal do próximo ano? O Ministério Público Eleitoral (MPE) poderia investigar para saber se as suspeitas se confirmam. A pergunta que se faz a nobre parlamentar é: existiriam 45 motivos para ela permanecer no cargo de deputada? Roraima passa por uma grave crise financeira, insegurança, caos na saúde, educação indo aos trancos e barrancos… Contudo, não se nota preocupação por parte da parlamentar. É inadmissível que se tente empurrar um discurso eleitoreiro por meio de promoções veladas. Vamos trabalhar deputada. É mais proveitoso!

EXPECTATIVA

Os olhos se voltam para Denarium nos próximos dias. A expectativa é grande sobre a decisão que ele tomará frente ao projeto de reajuste de 47% no salário dos delegados da Polícia Civil. Ao público, o governador mostra tranquilidade. Contudo, os mais próximos afirmam que ele tem uma grande dificuldade em negociar com todas as categorias e, principalmente, com os aliados políticos. Os policiais continuam cobrando reajuste salarial, ainda mais com as leis sendo sancionadas, garantindo maiores remunerações para o Judiciário, por exemplo. Se vale para um, vale para todos as remunerações maiores. E se a crise atinge a um, atinge a todos. Não se pode afunilar o discurso de calamidade financeira e direciona-lo a apenas alguns. A Coluna sempre frisa o pensamento de Frutuoso Lins, que dizia que o governador seleciona os dele para tratar com diferença e não entende o conceito de política. Uma pena. Vamos ver o que ele vai decidir.

FILIAÇÃO

Uma fonte da Coluna garantiu que Denarium ainda não saiu do PSL devido ao imbróglio de criação do Aliança pelo Brasil, novo partido de Jair Bolsonaro. Ele sinalizou que deixaria a sigla para seguir o presidente. “Meu espírito é bolsonarista, ou seja, vou estar sempre aliado com presidente, que confiou na minha proposta, no nosso trabalho e conceito. Estamos hoje fazendo um trabalho apoiando todas as ações do governo federal e do presidente Jair Bolsonaro”, justificou Denarium. Agora, ele só deve sair do PSL quando o Aliança estiver literalmente criado. Ainda não existe nada certo sobre isso, apenas que para o ano de 2020 o partido de Bolsonaro não vai disputar as eleições, distanciando o controle que o partido quer ganhar. Independente da sigla, Denarium enfrente rejeição dos roraimenses e precisa articular mais habilidosamente pautas essenciais para o Estado.

Informações – Roraima em Tempo