O projeto está na Câmara de Boa Vista esperando análise dos vereadores (Foto: divulgacao)

O achado de uma ossada que possivelmente seja do mototaxista Daniel da Silva dos Santos, 28 anos, encontrado decapitado na rua P, próximo a uma área de buritizal no bairro Cidade Satélite, alertou a categoria de mototaxistas em Boa Vista, que pede mais segurança nas ruas e a aprovação de uma lei que regulamente a profissão na Capital.

Segundo o presidente da Cooper Moto Táxis RR (Cooperativa de Mototaxistas de Roraima), José Ronald, a lei está engavetada há mais de dois anos na Câmara Municipal de Boa Vista.

“Clamamos por segurança, pois em menos de um ano foram roubadas cinco motos de nossos associados. Graças a Deus que trabalhamos com rastreamento nas motos e conseguimos recuperar todas em parceria com a Polícia Militar, e com isso e a polícia não só recuperou as motos como desarticulou uma quadrilha que roubava motos no Caimbé”, afirmou.

Ele afirmou que dos 120 associados da Cooperativa, apenas 15 ainda não instalaram o equipamento de rastreamento. “Estamos nos articulando para que todos possam ter o rastreador nas motos e assim trabalhar com mais tranquilidade”, disse.

Quanto ao corpo do taxista encontrado, Ronaldo afirmou que ele não fazia parte da Cooperativa, mas que espera que a polícia resolva o caso e aponte o assassino. “Temos suspeitas, mas como não temos certeza não podemos falar, mas aguardamos que a polícia resolva esse caso o quanto antes, prenda quem fez isso para fazer justiça e nos dar mais tranquilidade”, disse.

Para oferecer mais segurança entre os associados, Ronald explicou que foi criado um grupo em rede social e, entre as regras do grupo, está definido que o piloto deve avisar no grupo quando tiver alguma corrida para locais suspeitos.

“Tem um grupo em um aplicativo dos associados e outro dos clientes. Quando ele percebe que a corrida é para um local mais distante ou suspeito, o piloto avisa no grupo e passa o contato do cliente para termos uma pista de quem está com ele”, disse.

Mototaxistas querem regularização do serviço

Quanto à regularização da profissão no município, Ronald afirmou que vem lutando para aprovar a lei na Câmara de Vereadores de Boa Vista. Ele afirmou que, mesmo irregular, a Cooperativa atende cerca de 20 mil pessoas por mês em Boa Vista.

Já existe uma lei federal que reconhece o serviço de mototáxis, mas que cabe a cada município regulamentar essa lei e estamos há mais de 2 anos nessa luta e a Câmara de Vereadores não define nada, ficam empurrando com a barriga e não querem aprovar, pois a maioria é da bancada da prefeita Teresa e ela não quer mototáxi em Boa Vista”, afirmou.

Ronald acrescentou que as corridas acontecem mais no período da noite e da madrugada, justamente por não haver uma regulamentação, mas que os pilotos andam com a camisa da Cooperativa com nome do piloto, tipo sanguíneo e telefone de contato.

“Queremos mais agilidade do poder municipal para que regulamente a categoria, para que possamos ter um horário fixado para começar e terminar o serviço como, por exemplo, iniciar às seis da manhã e encerrar às 20h, como o taxilotação, e o restante dos horários ficarem com os taxistas e os aplicativos e assim todo mundo trabalha e ganha o pão de cada dia”, disse.

Informações: Folha de Boa Vista

DEIXE UMA RESPOSTA

Please enter your comment!
Please enter your name here