Dados são do relatório anual sobre fluxos migratórios – Divulgação

Roraima criou 558 vagas formais de emprego para imigrantes no primeiro semestre de 2019, um aumento de 19,23% em relação ao mesmo período no ano anterior. Os dados foram divulgados pelo Ministério da Justiça e Segurança Pública a última semana e é resultado de 1,4 mil admissões e 941 demissões.

O estudo integra o relatório anual sobre fluxos migratórios do Observatório das Migrações Internacionais (OMI). De acordo com a pesquisa, no ano anterior 468 vagas formais de emprego foram criadas para imigrantes, decorrentes de 981 admissões e 513 demissões.

Na média nacional, o estudo avalia que os seis primeiros meses de 2019 apontam tendência semelhante ao observado para 2018, ou seja, maior prevalência de admissões em relação às demissões, o que resulta em um saldo positivo de 5.582 trabalhadores, equivalente a mais da metade (62.3%) do saldo de 2018.

Segundo a pesquisa, na análise mensal, o mês de março chama atenção ao ter registrado redução nas admissões e crescimento nas demissões. O estudo explica que esse é um movimento esperado, tendo em vista o momento ocorrer de desligamentos de trabalhadores contratados para o carnaval que, em 2019, ocorreu em março.

Nos dados do levantamento, haitianos e venezuelanos aparecem como as nacionalidades com movimentações mais intensas e que contribuem com a maior parcela do saldo positivo em 2019.

Entre os países com maior movimentação no primeiro semestre de 2019, além dos dois acima mencionados, Cuba, Paraguai, Senegal, Peru e Argentina tiveram saldo positivo. Portugal, Uruguai e Bolívia, por outro lado, tiveram saldo negativo. O levantamento ressalta ainda que a intensidade de contratação de venezuelanos, entre janeiro e junho de 2019, já é superior ao observado para todo o ano de 2018.

CARTEIRAS

Conforme o levantamento, Roraima foi o estado que mais emitiu carteiras de trabalho nos primeiros seis meses do ano: mais de 20,8 mil entre janeiro e junho de 2019, o que corresponde a 46% do total.

A nível nacional foram emitidas 45.456 carteiras de trabalho, das quais 58,6% se destinaram aos trabalhadores migrantes de nacionalidade venezuelana e 18,8% para os trabalhadores haitianos.

Em seguida, os trabalhadores migrantes cubanos aparecem com 5,65% do total de emissões de carteiras de trabalho. Dentre os dez principais países com carteiras de trabalho emitidas, Angola é o único que se encontra fora do continente americano.

Seguindo a tendência observada para 2018, Roraima continuou como a Unidade da Federação que emitiu o maior número de carteiras de trabalhos no país. O estado de São Paulo vem em seguida com 10,0% do total de carteiras emitidas, percentual pouco superior ao estado de Amazonas (9,70%). Já os estados da Região Sul, destino de parte dos trabalhadores haitianos, aparecem com um total de 8.610 carteiras emitidas, ou 18,9% do total.

Informações: Roraima em Tempo