Exército diz que fiscalizações foram intensificadas após furto de arma da instituição (Foto: Divulgação)

Os moradores de Pacaraima, ao extremo Norte do Estado, amanheceram nesta quinta-feira (5) com a fronteira entre o Brasil e Venezuela supostamente fechada. Imagens compartilhadas por leitores da Folha mostram uma barreira de militares do Exército Brasileiro bloqueando a passagem de pedestres e veículos no cruzamento entre dois países. A informação do fechamento, no entanto, foi negada pelo Exército, que afirmou que fechamento de fronteira é competência privativa do presidente da República, nos termos do artigo 84, inciso VII, da Constituição Federal.

Conforme a assessoria de comunicação da força militar, os soldados, na verdade, estavam realizando a Operação Controle, ‘um trabalho normal e diário, com tráfego dentro da normalidade’, disse o Exército.

Porém, os militares confirmaram que a fiscalização na fronteira foi intensificada após uma arma de uso do Exército ter sido extraviada durante o passeio de um soldado. Ele não possuía autorização para portá-la fora do quartel. A ocorrência envolveu o acompanhamento de policiais federais e militares.

FURTO – No relatório da PM, consta que por volta das 4h10 desta quinta-feira (5), o soldado vítima do furto se envolveu em uma confusão durante uma festa com dois rapazes de 18 e 25 anos, onde a pistola Beretta 9 milímetros, com um carregador e 15 munições, foi levada e estaria dentro do carro de um dos envolvidos.

Um delegado da PF, que também estava na festa, ficou sabendo do ocorrido e decidiu investigar, acompanhado de um amigo e também agente da PF. Eles abordaram os dois suspeitos, que negaram obedecer à ordem de revista no veículo e teriam reagido de forma grosseira contra os policiais federais.

No ROP consta que o referido delegado teria efetuado três disparos para cima na intenção de conter os ânimos da dupla envolvida, que fugiu do local, mas retornou em seguida para buscar um aparelho de som que haviam deixado no endereço.

A equipe da PM conseguiu realizar uma revista no carro, mas a arma não foi encontrada. A vítima também não estava no local, mas apareceu logo em seguida acompanhada de uma guarnição do Exército. A dupla foi encaminhada à Delegacia da Polícia Federal, devido à desobediência durante a abordagem. Já o soldado, foi entregue a um superior.

PRISÃO – De acordo com o Exército, o soldado foi preso em flagrante pelo porte da arma de uso da instituição sem ter sido autorizado e por ter perdido o objeto em momento de lazer. Como é um crime militar, o jovem não será submetido à audiência de custódia, que faz parte do direito civil. Ele confessou e por não ser estabilizado no quadro das forças armadas, é possível que seu contrato não seja renovado, devido ao ocorrido, e ele seja desligado.

BUSCAS – Até o fechamento desta matéria a ocorrência permanecia em andamento na Delegacia de Pacaraima e as Polícias Militar e Civil continuavam adotando os procedimentos cabíveis. O Exército Brasileiro continuará realizando a Operação Padrão na tentativa de evitar a saída do armamento furtado para o país vizinho.

Informações: Folha de Boa Vista