“AGRO PRIMEIRO”?: Medidas do Governo de RR demonstram desinteresse em se investir no setor

Durante a campanha de 2018, Antonio Denarium (sem partido) falou alto e claramente que não iria acabar com o Mafir, o Matadouro Estadual, e chegou a dizer que o espaço receberia melhorias na infraestrutura. Tudo isso está registrado. Basta uma busca rápida na internet para encontrar a promessa feita por Denarium e até uma entrevista de 20 minutos em uma emissora local, onde o apresentador fala que eram os opositores que diziam que ele acabaria com o Mafir por ser sócio de um frigorífico moderno. Tudo foi negado pelo então candidato.

Assumindo a função de governador, Denarium não deu a menor importância para o Mafir. Continuou investindo no Frigo10 e passou a ter 50% das ações do negócio. O Mafir virou alvo de cobrança judicial por parte da Roraima Energia, referente a uma dívida de mais de R$ 40 milhões. A fornecedora de energia reivindicava o prédio, que chegou a ser leiloado por duas vezes, mas todas fracassadas. Servidores da Codesaima que atuavam no matadouro foram demitidos e tiveram que ser recontratados por decisão judicial. Uma verdadeira bagunça do governo.

VENDA

Nessa história toda ainda há um fato curioso que chama a atenção. Na primeira avaliação, o governo afirmou que o Mafir valia R$ 22 milhões. Porém, com o resultado fracassado dos leilões, a avaliação caiu para apenas R$ 7 milhões. O governo fez um acordo para quitar a dívida junto à Roraima Energia, mas, mesmo assim, manteve a decisão de leiloar o Matadouro e Frigorífico Estadual, como mostrou com exclusividade o Roraima em Tempo. Postura bem diferente do que ele prometeu quando estava na campanha eleitoral.

VANTAGEM

Sem o Mafir, os pecuaristas terão que recorrer para a empresa de Denarium e sócios, o Frigo10. Como é detentor de 50% das ações, o governador também será um dos maiores beneficiados com essa jogada. O Mafir era o principal concorrente do Frigo10, o que prova a “sabedoria” de Denarium para gerir os próprios negócios. Enquanto ele cresce, os pecuaristas ficam condicionado ao monopólio de mercado. Denarium poderá ditar o preço cobrado pelo abate e levando em consideração seu comportamento ganancioso, o consumidor pode preparar o bolso. Carne será realmente, um artigo de luxo.

LEILÃO

E parece que o governador escolheu essa palavra para ficar em destaque. Além de fechar Mafir, ele também anunciou o leilão dos silos de grãos estaduais. A estrutura era importante para garantir o armazenamento e qualidade dos produtos locais e atendia a todos os cooperados da Grão Norte. Agora, a ideia de Denarium é entregar mais um patrimônio estadual nas mãos de algum dos amigos, grandes investidores, que poderá cobrar o preço que quiser para armazenar os grãos dos produtores locais.

ESTRATÉGIA

Quando Denarium anunciou que não ficaria com o salário de governador, muita gente considerou um ato de nobreza e caridade. Mas, fica provado que ele não “dá ponto sem nó”. As decisões governamentais têm privilegiado grandes produtores, grupo do qual ele também faz parte. Denarium não perdeu nada ao entregar seu salário mensal. Ao contrário disso, está lucrando na posição de gestor estadual com medidas que favorecem os seus próprios negócios a médio e longo prazo. É um Governo que trabalha apenas para os grandes produtores. Os pequenos agricultores seguem sem o suporte necessário para o seu desenvolvimento. Ao deixar o Governo, Denarium seguirá ainda mais rico e poderoso, beneficiado por medidas que ele mesmo criou.

Informações: Roraima em Tempo