Programa Brasil Alfabetizado já formou 300 alfabetizadores, em Roraima

programa-brasil-alfabetizado


Mais de 300 alfabetizadores já passaram pela formação continuada realizada pelo Programa Brasil Alfabetizado, desenvolvido pelo Ministério da Educação (Mec), Fundo Nacional de Desenvolvimento da Educação Básica (FNDE) e Secretaria Estadual de Educação e Desportos (Seed), desde 2010.


Nesta semana, cerca de 100 profissionais, de 13 municípios do estado, receberam aprofundamento teórico e metodológico para desenvolver o trabalho de alfabetização de jovens, adultos e idosos.
De acordo com o gestor estadual do programa, James Nascimento, a passagem do alfabetizador pelo programa é fundamental para o desenvolvimento de técnicas de ensino.


“O programa muni o profissional de instrumentos para desenvolver o trabalho. São ferramentas pedagógicas que auxiliam no processo de alfabetização em sala”, disse Nascimento.


Maria do Socorro Pereira atua com alfabetização de jovens, adultos e idosos do município de Cantá, centro-leste de Roraima há quatro meses. De acordo com ela, participar da formação do programa é importante, pois aprimora a dinâmica dentro de sala e amplia o conhecimento dos professores.


“Esse curso traz mais conteúdo e melhora a metodologia dentro de sala de aula. Seria bom se o governo reconhecesse mais esse tipo de capacitação e disponibilizasse mais cursos. O professor não pode ficar parado, tem que buscar mais conhecimento e aperfeiçoamento a cada dia”, afirmou a professora.


As inscrições para o seletivo de 2014 serão abertas em janeiro. Cada alfabetizador deve procurar a sede da Secretaria Educação, na Divisão de Educação para Jovens e Adultos.


Continuidade- Segundo Maria do Socorro, a dificuldade está na continuação dos estudos dos participantes do Programa Brasil Alfabetizado. Ainda de acordo com ela, os alunos que são alfabetizados almejam continuar os estudos, e nem todos os municípios possuem programas que permitem a continuidade do ensino de jovens, adultos e idosos.


“Quem aprende a ler e a escrever geralmente fica encantado e não quer largar os estudos. Discutimos durante essa semana a questão de que nem todos os municípios proporcionam essa continuação dos estudos”, ressaltou Maria.


Outro lado- Conforme a assessoria de comunicação da Secretaria Estadual de Educação (Seed), a continuidade dos estudos dos jovens, adultos e idosos alfabetizados é de responsabilidade de cada município.


Através de telefone, a assessoria explicou que o ensino fundamental menor, do 1º ao 5º ano, para jovens e adultos deve ser disponibilizado pelos municípios, segundo resolução do Ministério da Educação (Mec). Ainda de acordo com a assessoria, todos os municípios do estado, incluindo terra indígena, contam com o programa de Eduação para Jovens e Adultos (Eja), a partir do ensino médio.




Tags

Veja também

Top