Combate ao Aedes aegypti continua em Boa Vista

A Prefeitura de Boa Vista continua a promover ações em toda a capital para combater o mosquito Aedes aegypti, transmissor das doenças chikungunya, zika e dengue. Diariamente técnicos e agentes de combate às endemias realizam a busca, bloqueio e eliminação de possíveis focos nos bairros e regiões onde ocorrem casos suspeitos e confirmados das doenças.

 
No período de chuvas as águas são acumuladas em depósitos, garrafas e tampinhas deixadas aleatoriamente nas ruas e residências. Essa é uma situação recorrente registrada em todos os Levantamentos de Índices de Infestação – LIRAa, que demonstra que a maioria dos focos do Aedes aegypti encontram-se em depósitos de lixo acumulado indevidamente nas ruas e quintais das pessoas.
 
“Isso acarreta um número maior de proliferação do mosquito e adoecimento das pessoas nas unidades de saúde. É preciso que todos colaborem acondicionando o lixo de maneira correta e tirando pelo menos 10 minutos na semana para dar uma revisada geral no quintal de casa, evitando assim o acumulo de lixo e possíveis focos”, explica o superintendente de vigilância em saúde, Emerson Capistrano.
 
O risco de infestação e proliferação do mosquito aumenta em épocas de calor e chuva, mais propícias à reprodução dos insetos. Eles picam principalmente durante o dia. O secretário municipal de Saúde, Claudio Galvão destaca o trabalho de prevenção diário que é realizado pelos agentes de combate às endemias, mas enfatiza que o combate ao Aedes aegypti é responsabilidade também de cada cidadão.
 
“Temos trabalhado diariamente para identificação dos casos e bloqueios, nas residências e locais onde foram identificados. Porém, nada disso será suficiente se a própria população não entrar na guerra junto com a gente, ajudando a eliminar os possíveis focos em suas casas”.
 
A prefeitura está reforçando ações nos bairros que apresentam um índice alto de casos relacionados ao Aedes aegypti. Entre os principais bairros está o Senador Hélio Campos, onde foram notificados 15 casos suspeitos de chikungunya e 8 de dengue.
 
O bairro Asa Branca registrou 10 de chikungunya e 3 de dengue. “Mesmo sem a confirmação, fazemos o trabalho de eliminação de focos. A maioria desses bairros já está com as estações disseminadoras implantadas, o que vai nos ajudar bastante a identificar as regiões com maior incidência de focos”, explica Maria da Conceição Santos, diretora da Unidade de Vigilância e Controle de Zoonoses de Boa Vista.
 
Estações disseminadoras
Além das visitas diárias dos agentes e técnicos de endemias orientando e conscientizando a população, a Prefeitura está desenvolvendo juntamente com a Fiocruz-AM, o projeto de estações disseminadoras de larvicidas em 10 bairros da capital.
 
No próximo dia 28, os técnicos e agentes vão instalar novas unidades de ovitrampas nos bairros e no dia 3 de julho farão a manutenção das estações disseminadoras. O resultado desse trabalho deve sair até o mês de agosto.
 
Enquanto o resultado não é divulgado, os agentes e técnicos de endemias vão intensificando o combate ao Aedes aegypti. Eles promovem palestras nas unidades básicas de saúde, orientando a população sobre os cuidados e esclarecendo os perigos das doenças que podem levar até a morte.
 
As equipes de combate às endemias também estão fazendo um georeferenciamento das regiões em que foram instaladas as estações disseminadoras. A ideia é facilitar o trabalho de localização na hora de realizarem manutenção e substituição das mesmas.
 

Veja também

Top