Em Boa Vista, Semges orienta venezuelanos em praças públicas

A Secretaria Municipal de Gestão Social (Semges), por meio de equipes do Cras São Francisco, esteve na manhã desta quarta-feira (4), em algumas praças da capital onde orientou migrantes venezuelanos quanto a permanência deles nesses locais. A abordagem teve como base pedidos da própria população, que tem cobrado atos de retirada dos estrangeiros dos espaços públicos, para evitar a depredação desses locais.

 
Na praça Capitão Clovis, onde a ação começou, estavam mais de 80 pessoas, sendo que aproximadamente 30 eram composta por crianças. As famílias utilizavam os quiosques dos lanches da praça como abrigo. A recomendação dos agentes sociais da Semges foi que os estrangeiros buscassem abrigos ou refúgio em outros locais.
 
“Esta é uma ação de conscientização, para que os migrantes venezuelanos não utilizassem o espaço público como local de habitação. Nós recomendamos a eles que busquem outros locais, ou abrigos, até mesmo visando a segurança deles. Há muitas crianças sendo expostas a uma série de riscos. Então, é um trabalho de orientação”, explicou Vanessa Pinheiro, gerente do Cras São Francisco.
 
Alguns dos migrantes encontraram abrigo, como foi o caso do venezuelano Carlos Cáguas, que junto da mulher e mais um amigo, que foram convidados a morar em uma casa no bairro Cauamé. “Estamos há quatro meses no Brasil, buscando trabalho e um lugar para morar, até as coisas melhorarem e podermos voltar ao nosso país. Não está sendo fácil, mas ao menos onde ficar já conseguimos”, disse.
 
A Prefeitura de Boa Vista promove diversas ações de amparo aos venezuelanos em áreas como educação, por meio das matrículas de crianças na escola, de saúde, com atendimentos nos postos de saúde e Hospital da Criança Santo Antônio e no social, com o levantamento e cadastramento junto aos programas sociais. Além disso, é estudado junto ao Governo Federal a criação de abrigos para atender aos migrantes.
 
Foto: Igorh Martins

Veja também

Top