Sheridan e Otaci fazem política para o grupo. Teresa e Arthur fazem política para toda a cidade

Mal começou a campanha eleitoral e grande parte dos políticos já estão “rateando” a prefeitura. Sim. A velha política “glutona” do dinheiro público está com força total. E isso tem ficado claro a cada conchavo composto por aqueles que, mesmo com discurso “bonito” e clichê, não dão a mínima para a população. Querem apenas manter-se no poder e nada mais.

Isso fica claro nos discursos de políticos do naipe de Sheridan e Ottaci. O tempo todo eles sempre falam que estão fazendo campanha com amigos, que estão “fortalecendo o grupo” e coisa parecida. Ou seja, os ideais meramente partidários compõem a prioridade desses candidatos, que pouco visam o melhor à população.

Não se surpreenda se a essa hora cada deputado já esteja com a sua secretaria municipal separadinha, da mesma forma como funciona o Governo do Estado, onde cada pasta ou autarquia é loteada e coordenada por um político. Porque, pra essa gente, o que vale mesmo é “fortalecer o time”. Benefício pra população? Zero.

Para não ser injusto, tudo aquilo que Sheridan, Ottaci e tantos outros falam com certo foco ao povo vem ancorado no que já é realidade nos últimos oito anos. É sempre “vamos melhorar as praças”, “vamos melhorar as ruas”, “vamos melhorar a saúde”, chegando até a pachorra de dizer “amo a primeira infância e vamos continuar com esse trabalho”. Assim fica fácil, né?

Por outro lado, enquanto tais políticos loteiam o município e tentam se locupletar em cima da evolução que a cidade teve desde 2013, a prefeitura faz uma política séria para a cidade. A meta sempre foi trabalhar e cuidar das pessoas, sem populismo. Sem maquiagem. Sem demagogia. Apenas trabalho e determinação para mudar a cidade e conceder melhor qualidade de vida a toda a população.

Hoje a prefeitura não tem secretaria dividida entre políticos. Nunca teve. Sempre houve um caráter extremamente técnico na hora de destinar alguém para chefiar cada pasta. Foi assim com Arthur Henrique, que entrou na prefeitura como servidor, atuou bastante nas áres de administração, tecnologia e educação e hoje é candidato a prefeito. Isso é meritocracia. É por capacidade, merecimento, qualidade no serviço. Não por politicagem.

Por isso, é importante reforçar: a população deve analisar bem aquilo que é melhor para si. Os números estão aí para mostrar o quanto Boa Vista evoluiu nos últimos oito anos. Depende agora de cada cidadão escolher seus representantes para que esse trabalho permaneça e aumente ainda mais a qualidade dos serviços e dos espaços públicos. E para isso, os oportunistas devem ficar de fora.