Deputado Renato Silva vira réu acusado de constranger veterinária com arma de fogo

O deputado estadual de Roraima Renato Silva (PRB) virou réu por porte ilegal de arma, após entrar em uma clínica de Boa Vista e constranger a médica veterinária Daniela Buregio, de 24 anos. O processo tramita na 2ª Vara Criminal e a acusação foi aceita pelo juiz Renato Albuquerque.

A acusação é do Ministério Público de Roraima (MPRR), feita pelo promotor de Justiça Isaias Montanari Júnior. A ação foi aceita pelo juiz na última terça-feira (3).

O caso ocorreu em julho deste ano, depois que o cachorro do deputado, da raça shitzu, sofreu complicações em uma cirurgia. De acordo com o MPRR, Renato Silva foi até clínica veterinária e constrangeu a médica. Ele foi flagrado colocando um objeto, possivelmente uma arma, na cintura antes de entrar no local.

Procurado, Renato Filho disse que ainda não foi notificado sobre a ação, mas que “acredita na Justiça”. Ele afirmou, ainda, que o objeto nas imagens não é uma arma, e sim, um aparelho celular na cor preta e uma carteira parlamentar.

“Afirmo que não é uma arma, tem vídeos lá dentro que mostram que não tô portando uma arma. Eu nunca fui intimado a nada, eu que entrei lá [na Justiça] e declarei, mostrei os objetos que estava usando, que eram uma carteira parlamentar e meu celular Iphone preto. Tem filmagens, eu pego meu celular da cintura e boto no ouvido”, disse o deputado à reportagem.

Segundo o deputado, a “arma” era apenas um iPhone (Foto: Supcom/ALERR)

Ao site G1, a médica veterinária afirmou que não se manifestaria sobre o assunto em razão de o processo já estar em andamento na Justiça.

Conforme a decisão do juiz, o deputado réu tem o prazo de dez dias para responder à acusação do MPRR. Caso não haja manifestação do acusado, o processo será encaminhado à Defensoria Pública.

No dia do caso, câmeras de segurança da clínica flagraram o parlamentar saindo de um carro e colocando um objeto na cintura. Conforme o MPRR, após perícia, foi constatado ser “muitíssimo mais plausível na hipótese de o objeto destacado ser uma arma de fogo, do que na hipótese de ele não a ser”.

“A posição da mão e a manipulação do objeto é típica daquela de uma arma de fogo, inclusive com relação à posição dos dedos. Após colocar o objeto por dentro da bermuda, na linha da cintura, encobrindo-o com a camiseta, o denunciado se dirigiu ao interior da clínica”. […] se trata de um objeto rígido, de cor negra e com dimensões definidas, tal qual uma arma de fogo tipo pistola”, afirma trecho da denúncia.

Ao aceitar as alegações do promotor, o juiz afirmou que o denunciado deve “estar ciente, ainda, de que a partir deste momento, quaisquer mudanças de endereço deverão ser informadas a este juízo, para que possam ser adequadamente comunicados dos atos processuais, sob pena de decretação de sua revelia”.

Outro trecho da decisão afirma que “em eventual procedência da ação penal, poderá ser fixado valor mínimo para reparação dos danos causados levando-se em conta os prejuízos sofridos, cabendo a mesma manifestar-se a respeito na resposta à acusação.”

Porte de arma e constrangimento

A denúncia do MPRR aponta que, após explicar a situação do animal e a necessidade de sua transferência para uma unidade de tratamento intensivo, o denunciado gritou com a vítima, exigindo que ela o acompanhasse.

“Eu falei pra ele: ‘eu não posso ir, eu não tenho como ir’. E ele insistiu. Eu fui com medo dele, porque ele tava muito nervoso, tava gesticulando muito e falava em alto tom: ‘Bora, bora, bora! Não tô nem aí! Tu vai!’. Entendeu? Então, assim, eu fiquei com medo dele. Eu tive que ir”, diz trecho do relato da médica ao MPRR.

De acordo com a denuncia do MPRR, o parlamentar tem uma pistola registrada em seu nome, apesar de não possuir porte de arma de fogo. Ele teve o pedido de porte negado em dezembro de 2019.

O relato da vítima foi confirmado por um auxiliar, que testemunhou o ocorrência. Segundo o MPRR, diante dos fatos, é comprovada a “ofensa à liberdade física e psíquica da vítima Daniela Burégio Dias por parte do denunciado Renato de Souza Silva, na noite dos fatos e nos desdobramentos a eles posteriores”.

Renato Silva cumpre o primeiro mandato como deputado estadual. Ele foi eleito em 2018 com 2.848 votos pelo partido Republicanos.

Informações: G1 Roraima – Foto: Divulgação