Kovalski, quais as chances do Denarium no TSE?

– O praça (Denarium) vai cair.

Escolhemos os pinguins de Madagascar para informar o público mais jovem, que é a maioria em Roraima, sobre o futuro político do Denarium.

Ontem à noite, fomos os primeiros a noticiar que a terceira cassação do Denarium foi confirmada pelo Vice-Procurador-Geral Eleitoral, Alexandre Espinosa Bravo Barbosa.

Com três pedidos de cassação, os advogados milionários do governador Antônio Denarium em Brasília terão que ser muito habilidosos para reverter a situação. Sabemos que o poder econômico pode influenciar, mas desta vez o caso é mais complicado. Recentemente, um assassino dirigindo um Porsche quase se safou, mostrando como o dinheiro pode influenciar.

No entanto, Denarium já chega ao TSE com a imagem de “Bandidão”. São tantas as acusações contra ele, seu grupo e sua família que defendê-lo é como defender um demônio, e isso deixará marcas em quem tentar.

Para aqueles que acreditam que ele vai terminar o mandato, vamos lembrar as mentiras até agora:

1. Não serei processado no TRE-RR;

2. Esses processos não vão andar, está tudo acertado no TRE-RR;

3. Jamais serão julgados;

4. Não serei cassado no TRE-RR;

5. Os processos jamais irão para o TSE;

6. Serei inocentado no TSE;

Nada do que ele disse se concretizou. Ele usou pautas importantes para Alexandre de Moraes para dizer que estava segurando o processo em Brasília.

Na verdade, a corte é complexa e tudo leva tempo. Mas com três cassações confirmadas pelo MPE, não há chance de Denarium ser inocentado ou terminar o mandato.

Por fim, vocês realmente acreditam que quando o processo do governador do Rio de Janeiro chegar ao TSE este mês, Cláudio Castro e seus advogados vão deixar que ele seja julgado antes do Denarium?

Vamos comparar o poder financeiro e eleitoral dos dois governadores:

Orçamento:

Rio de Janeiro: R$ 80 bilhões

Roraima: R$ 7 bilhões

Eleitores:

Rio de Janeiro: 12,8 milhões

Roraima: 350 mil

Qual dos dois governadores é mais importante para a direita brasileira na luta contra o Lula na próxima eleição, que será daqui a quatro meses?