Pedido de impeachment aceito. Três cassações seguem engavetadas no TSE.

Será que agora que a ALERR acatou o pedido de impeachment contra o governador Antonio Denarium, o TSE vai parar de fingir que o Denarium não foi cassado três vezes e vai desengavetar os processos contra ele, marcando a data de julgamento?

Com essa, o TSE não esperava, ou esperava?

Fato é que uma possível, mas improvável, cassação do Denarium em Roraima pela Assembleia Legislativa coloca em xeque o Tribunal Superior Eleitoral. Vai ficar feio, muito feio, Denarium não ter seu processo imediatamente pautado para confirmação das três cassações.

Mas quem se importa, não é mesmo? Todo mundo, menos o povo do estado de Roraima, quer que o Denarium siga no cargo. São muitos interesses, e cidadãos de um estado que não representa sequer o tamanho de um bairro de uma grande cidade são descartáveis.

Desacreditado e tido como um dos poderes facilitadores da criminalidade, o judiciário segue ignorando os danos que causa à sua própria imagem e à democracia. Afinal, foi a desconfiança na justiça que favoreceu o crescimento de movimentos antidemocráticos no Brasil, e seu maior defensor, entre muitas aspas, ministro Alexandre de Moraes, teve a chance de cassar o Denarium e preferiu fazer mídia com o julgamento do ex-juiz Sérgio Moro.