‘Não vou tomar medidas simpáticas e colocar a vida das pessoas em risco’, diz Teresa Surita

380

Em entrevista à Rádio 93FM, nesta sexta-feira (24), a prefeita de Boa Vista, Teresa Surita (MDB), afirmou que tem sido a única a tomar medidas impopulares, mas necessárias para a proteção das pessoas durante a pandemia de coronavírus.

“Não tem ninguém defendendo medidas difíceis como eu. Não existe ninguém adotando medidas mais antipáticas do que eu. [Mas] não vou tomar medidas simpáticas e colocar a vida das pessoas em risco”, enfatizou, ao citar que tem sofrido pressão parar flexibilizar o comércio para o Dia das Mães.

A gestora lembrou que existem diversas obras prontas pela cidade, que não podem ser inauguradas. Ela declarou que aquilo que não for possível fazer não será feito, para que não haja arrependimento no futuro. Ponderou que gostaria de estar saindo da prefeitura entregando “resultados incríveis”, como ocorre nos últimos sete anos.

“Tudo isso [obras] não estou falando, divulgando, porque estou preocupada com as pessoas. O mundo mudou e precisamos acompanhar as situações para proteger nossa população. A onda [pico de casos] vem agora, porque fomos os últimos a registrar diagnósticos no Brasil”, considerou.

No fim do mês passado, Teresa já havia declarado estar preocupada, mas consciente das decisões consideradas por ela como certas. Frisou que trabalhava para salvar vidas, ao mesmo tempo em que pensava na economia. (Leia a entrevista)

MEDIDAS

Boa Vista Tem 268 casos confirmados de coronavírus, o que representa 88% dos diagnósticos no estado. Nas últimas semanas, houve flexibilizações no comércio da capital, para evitar impactos mais severos na economia.

Outro decreto de hoje torna obrigatório o uso de máscara em órgãos públicos e empresas autorizadas a funcionar. Já para o restante das pessoas o item é recomendado. (Veja o decreto)

“Vamos dando passos a partir de discussões com especialistas, profissionais da saúde. Entendo que o foi feito ajudou a nos prepararmos para o que virá. A gente está enfrentando com muita coragem”, enfatizou, ao acrescentar que os testes têm sido insuficientes e as informações são repassadas “muito tarde”.

Quando falou sobre a Área de Proteção e Cuidados, montada pelo Exército Brasileiro em Boa Vista, cobrou do governo a entrega de insumos e equipamentos, para que o local comece a funcionar. O espaço foi anunciado no mês de março, mas ainda não passou a receber pacientes, pois depende do Estado.

“Existe competência de ações. Quem recebe recurso para enfrentar o coronavírus, equipamentos e insumos e profissionais é o Governo. Se o município tivesse recebido [a verba] garanto que estaria tudo pronto”, avaliou.

A prefeita lembrou que o estado teve três mortes pelo vírus, mas almejava que esse índice fosse zero, já que “a vida vale mais que qualquer coisa”. A gestora disse ainda que Belém e Manaus estão vivendo situação crítica por conta das chuvas e que espera que Boa Vista passe pela pandemia com o menor impacto possível.

“O vírus é invisível. Estamos com a possibilidade de se infectar. O governo não está nos ajudando nessas medidas antipáticas, das quais não vamos abrir mão. Cada um é responsável. Vamos ter fiscalização mais exagerada”, finalizou.

Informações – Roraima Em Tempo