O Ministério Público do Rio de Janeiro (MPRJ) iniciou nesta quinta-feira (2), em apoio a uma força-tarefa do Distrito Federal, a Operação Falso Negativo, que apura irregularidades na compra de testes de Covid-19 pelo governo do DF.

As investigações apontam superfaturamento nas compras e baixa qualidade dos testes, que podem dar falso negativo. O prejuízo aos cofres públicos é estimado em R$ 30 milhões.

São investigados crimes como fraude a licitação, crime contra a ordem econômica, organização criminosa e corrupção ativa e passiva.

Agentes saíram para cumprir mandados de busca e apreensão em sete estados (GO, RJ, SP, PR, SC, BA e ES), além do Distrito Federal.

Alvo no Rio

No Rio de Janeiro, um dos alvos da operação é Luiz Cláudio Babo Torres. Agentes foram para a casa dele, na Península, na Barra da Tijuca.

Babo é ligado à empresa Revolux Rio Comércio e Serviços.

Há mandados também para a sede da empresa, em Nova Iguaçu.

74 mandados no Brasil

Segundo investigadores, servidores da Secretaria de Saúde do DF se organizaram para fraudar licitações e para comprar testes IgG/IgM com preços superfaturados.

A compra foi com dispensa de licitação. Ainda segundo a investigação, houve troca de marcas de testes por outras de qualidade inferior, o que contribui para o resultado falso negativo.

Ao todo, a operação, que foi chamada “Falso Negativo”, cumpre 81 mandados de busca e apreensão em mais de 20 cidades. Entre os endereços alvo dos mandados estão o Laboratório Central do DF, a Farmácia Central, a Secretaria de Saúde do DF e residências dos responsáveis pelas compras.

A decisão do Tribunal de Justiça do Distrito Federal que autorizou os mandados solicitados pelo Ministério Público fala em buscas e apreensão em 25 endereços, com 15 alvos.

As cidades onde os mandados foram cumpridos são:

  1. Brasília/DF
  2. Formosa/GO
  3. Goiânia/GO
  4. Curitiba/PR
  5. Maringá/PR
  6. São José dos Pinhais/PR
  7. Pinhas/PR
  8. São Paulo/SP
  9. Santana do Parnaíba/SP
  10. Cotia/SP
  11. Itapevi/SP
  12. Barueri/SP
  13. Joinville/SC
  14. Balneário Camboriú/SC
  15. Ilhota/SC
  16. Navegantes/SC
  17. Serra/ES
  18. Cariacica/ES
  19. Vitória/ES
  20. Rio de Janeiro/RJ
  21. Nova Iguaçu/RJ
  22. São Gabriel/BA
  23. Irecê/BA

O que diz o governo do DF

Em nota, a Secretaria de Saúde do DF informou que todos os testes adquiridos, recebidos por meio de doações ou enviados pelo Ministério da Saúde, “têm o certificado da Agência Nacional de Vigilância Sanitária (Anvisa) e portanto foram testados e aprovados pelo órgão federal”.

Informações: G1 – Foto: Reprodução/TV