Companhia pede R$ 400 milhões para atualizar valores desde a época de realização do leilão, há cerca de oito anos

Apesar de ainda não ter recebido uma resposta concreta do Governo Federal, a concessionária Transnorte Energia S.A. (TNE), formada pela estatal Eletronorte e a empresa Alupar, informou que a expectativa é que as obras de construção do Linhão de Tucuruí ainda neste semestre.

A resposta esperada da empresa é relacionada ao pedido de R$ 400 milhões de repactuação financeira pela TNE. A companhia pleiteia a atualização de valores, já que a companhia venceu o leilão para realizar a obra há cerca de oito anos.

Segundo informações repassadas pelo senador Mecias de Jesus (PRB) à Rádio Folha 100.3 FM, o Governo Federal teria proposto pagar cerca de R$ 240 milhões destes R$ 400 milhões, porém, o acordo ainda não foi concretizado.

“Ainda não temos informações conclusivas sobre o reequilíbrio econômico-financeiro do contrato de concessão da TNE”, informou à Folha o diretor técnico da Transnorte Energia S.A, Raul Ferreira.

Apesar de não poder afirmar com certeza sobre a proximidade do início das obras do Linhão, o diretor destacou que a companhia continua trabalhando firme na crença de iniciar o empreendimento ainda neste semestre, conforme previsto.

“Todas as providências necessárias estão sendo tomadas. É uma obra que demanda providências de vários órgãos da Administração Pública e que envolve um grande número de empresas prestadoras de serviços e de fornecimento de equipamentos e materiais”, declarou Ferreira.

ENTENDA – Durante a entrevista ao programa Agenda da Semana na Rádio Folha 100.3 FM, o senador Mecias de Jesus falou sobre a interligação de Roraima ao Sistema Nacional de Energia (SIN) e garantiu que o início das obras estava mais próximo do que se imagina.

Segundo o senador, o governo federal estaria propondo pagar cerca de R$ 240 milhões, ou seja, uma diferença de 160 milhões de reais ao que foi apresentado pela empresa. Ainda assim, o parlamentar declarou que logo o impasse estaria resolvido. “Isso será ajustado e, em breve, será iniciada a obra de Manaus (AM) a Boa Vista (RR) e não iremos precisar de 24 anos para solucionar os problemas de Roraima”, afirmou Mecias de Jesus.

Informações: Folha de Boa Vista