Todos em Roraima conhecem ou pelo menos já ouviram falar sobre a assessora especial de Ottaci Nascimento, candidato à Prefeitura de Boa Vista, Daniela Assunção, autodeclarada jornalista, mas que não tem curso superior na área e mal consegue escrever um texto simples sem atropelar a língua pátria.

Esta pessoa é o que pode ser chamada de “assassina de reputações”, que vive na base da injúria e da difamação. E recebe muito bem para isso: a “bagatela” de R$10 mil, pagos com dinheiro público por meio da Assembleia Legislativa de Roraima (ALERR).

Como se vê, Daniela Assunção se vale da inclusão digital para acusar adversários de forma abjeta, imputar falsa acusação de crime e caluniar opositores. E não apenas políticos, empresários ou pessoas com autoridade. Gente comum também padece por conta de seus impropérios, como veremos a seguir.

É de conhecimento de todos que na ocasião do desaparecimento da empresária Joseane Gomes da Silva, em agosto deste ano, Daniela fez vários posts em suas páginas do Facebook, inclusive gravou vídeos, onde atribuiu a autoria do crime ao namorado da vítima, o policial militar Uirandê Costa de Mesquita. No entanto, semanas depois foi confirmado que ele também foi morto com a namorada após uma emboscada. A credibilidade mirrada que ela acha que tem ficou mais que evidenciada.

Pelo visto, Daniela não aprendeu nada com o incidente. E agora está fazendo o mesmo papel de juiz, promotora e carrasco ao difundir nas redes sociais que o sequestro do jornalista Romano dos Anjos foi forjado (como se fosse “super divertido” fazer a esposa ficar em estado de choque e deixar quebrar os próprios braços). A pecha injuriosa vem em dueto com o já intragável senador Telmário Mota (quanto a esse, falaremos em outra ocasião).

Daniela se vê como intocável, a “suprassumo da verdade”, não aceitando qualquer tipo de crítica. Evoca a democracia e a liberdade de expressão para a atividade jornalística (indevidamente, já que nem nisso ela se enquadra). Mas se alguém ousar contestar suas publicações, ela ataca, xinga, apaga comentários e, o pior, passa a injuriar quem a critica.

Foi o que houve com a massagista Cema de Assis, que criticou Daniela em uma de suas publicações. O que a blogueira “ultrademocrática” fez? Usou a foto de perfil da moça e compartilhou em grupos de classificados no Facebook, chamando a mesma, uma trabalhadora e mãe de família, de garota de programa. Outras pessoas também sofreram o mesmo tipo de injúria por parte da pseudojornalista.

Por conta disso, Daniela Assunção responde a mais de 60 processos, mas sempre se esconde dos oficiais de justiça. E ainda paga de justiceira da internet. Na ânsia de defender seus patrões ela mal percebe que está lhes enterrando politicamente. A cada dia, o boa-vistense vai sabendo mais quem de fato é Ottaci e se atentando mais ao projeto político de seu mentor, Jalser Renier e o quanto esse grupo é pernicioso para a capital.