Teresa, a mais popular

345

menos de duas semanas das eleições municipais, a prefeita de Boa Vista, Teresa Surita (MDB), vem publicando em seu Instagram fotos e vídeos ao lado do vice-prefeito Arthur Henrique (MDB), candidato à sucessão dela.

Num dos posts, ambos aparecem em frente à Creche Proinfância Emília Rios Peixoto, no bairro Cidade Satélite, uma das quarenta escolas inauguradas por Surita ao longo dos seus quarto e quinto mandatos na capital de Roraima.

“Prometemos 35 e construímos quarenta. Saltamos de 22 mil alunos para 44 mil”, disse a prefeita no vídeo, antes de passar a palavra a Henrique, que prometeu erguer mais dez escolas, caso seja eleito.

Muito ativa nas mídias sociais, Surita tem se envolvido diretamente com a campanha do correligionário. Ela sairá da prefeitura ostentando uma aprovação de 76%, segundo o Ibope Inteligência, percentual quase equivalente ao que a reelegeu no primeiro turno de 2016, quando teve cerca de 80% dos votos.

Em Roraima, a prefeita divide um importante nicho de poder com o ex-marido, Romero Jucá, presidente do MDB. A simbiose acabou por beneficiar os dois.

A capacidade de articulação nacional de Jucá atraiu recursos financeiros para o governo de Surita, e a eficiência da mandatária na gestão da cidade fez aumentar o prestígio de seu antigo cônjuge em Boa Vista.

Ex-deputada federal, a emedebista é reconhecida por organizar o ensino público infantil e fundamental, reduzir a ação das chamadas “galeras”, gangues juvenis bastante numerosas no começo dos anos 2000, instalar wifi e ar-condicionado nos pontos de ônibus, construir hospitais e executar obras de impacto visual, como praças, uma Vila Olímpica e o Parque do Rio Branco, com “o maior mirante da região Norte”.

Algumas de suas iniciativas se tornaram muito populares. É o caso do Arraial da Prefeitura, festa junina com uma ampla oferta de shows musicais e quadrilhas, organizada pelo município para competir com a promovida pelo governo do estado.

Surita também inventou a “maior paçoca do mundo”. Durante as celebrações juninas, a cidade serve gratuitamente para milhares de pessoas mais de uma tonelada da iguaria, confeccionada com farinha e carne seca.

Nem mesmo a crise que levou uma multidão de venezuelanos a se refugiar em Roraima, a partir de 2017, afetou a popularidade da prefeita. Na contramão de outros políticos, ela se mostrou a favor de receber estrangeiros na capital.

Informações: Revista Piaui