A Venezuela ultrapassou os mil casos confirmados de coronavírus na noite desse sábado (23). Dos 1.010, o governo afirma que 95 foram importados do Brasil, o que o coloca em segundo lugar no ranking de países com maior número de diagnóstico importados.

Nas últimas 24h, foram 66 pacientes com a doença. De acordo com o governo, 25% do total de pessoas contaminadas já se recuperaram da doença. O restante recebe tratamento de saúde. Não informações de pessoas sendo acompanhadas em casa. A oposição contesta os dados.

Os estrangeiros têm cruzado a fronteira em Pacaraima, mesmo com o bloqueio determinado pelo presidente Jair Bolsonaro (sem partido). A proibição do ingresso de venezuelanos e guianenses foi prorrogada por mais 30 dias e entrou no terceiro mês de renovação.

“Dos casos ativos, 388 estão internados nos hospitais públicos, 334 nos Centros de Diagnóstico Integral [CDI], e 16 em clínicas particulares”, detalhou a vice-presidente Delcy Rodríguez, ao acrescentar que se mantém em 10 o número de mortos pela doença no país. Vinte pessoas estão em situação grave ou moderada.

Quase 50 mil venezuelanos retornaram ao país, conforme dados da gestão Maduro, sendo que 620 chegaram contaminadas. As barreiras sanitárias foram reforçadas nas linhas de fronteira do país. Um novo plano de enfrentamento à pandemia será colocado em prática pelas Forças Armadas.

“Não vamos relaxar as medidas sanitárias, pois precisamos quebrar a cadeia de transmissão do vírus. Ontem, as pessoas puderam sair às ruas, conforme determinado pelo presidente, e fizeram isso de maneira muito consciente. Assim precisamos permanecer”, declarou Delcy.

Informações: Roraima em Tempo – foto: Reprodução/Twitter