Mesmo com recomendações da Organização Mundial de Saúde (OMS) e do Ministério da Saúde, para que se evite aglomerações de pessoas diante da pandemia do Coronavírus (Covid-19), manifestantes foram à praça do Centro Cívico com faixas e cartazes contra o Congresso e o Supremo, que estariam atrapalhando o andamento da gestão do presidente Jair Bolsonaro (Sem partido).

Em Roraima, a manifestação reuniu cerca de 200 pessoas na Praça do Centro Cívico, mas a Polícia Militar informou que não foi feita contagem dos presentes, pois as equipes estavam atendendo outros casos que ocorriam no mesmo momento do protesto.

Uma carreata de motociclistas abriu o evento e em seguida o público vestindo verde e amarelo e com a bandeira do Brasil, foi para o centro da cidade. Participantes conduziram cartazes e faixas com declarações de apoio a Bolsonaro e com críticas ao presidente da Câmara dos Deputados, Rodrigo Maia (DEM-RJ), e ao presidente do Senado, David Alcolumbre (DEM-AP). Outro alvo dos protestos era o Supremo Tribunal Federal (STF). Sem citar nomes de ministros da Corte, frases afirmavam “STF: pare de sabotar meu país”.

A atividade foi conduzida durante parte da tarde por lideranças políticas e de movimentos civis da direita roraimense, que eram convidadas a discursar do alto do veículo equipado com amplificadores de som.

“Somos contra uma pessoa que recebeu 77 mil votos e que vem atrapalhar uma agenda que foi eleita com 57 milhões de votos. Tem coisas que podemos não concordar com o Governo Federal, mas nem por isso queremos que a reforma administrativa ou a reforma tributária seja atrasada porque alguém quer atrapalhar o presidente. O Maia está indo contra o Congresso. E nós não vivemos em um país parlamentarista. O presidente da República que é o representante maior do povo”, declarou um dos participantes do evento, Álvaro Coelho.

O líder do evento em Roraima, Deilson Bolsonaro, gravou vídeo agradecendo aos apoiadores. “Estamos lutando por um Brasil melhor e vamos continuar lutando. Somos a favor do presidente e contra a corrupção. Quero dizer para vocês muito obrigada.”

BOLSONARO – Em pronunciamento na última quinta-feira (12), em rede nacional, o presidente Jair Bolsonaro recomendou que as manifestações fossem repensadas, mas neste domingo (15) ele ignorou as recomendações médicas de isolamento e deixou o Palácio da Alvorada para participar do ato. Bolsonaro também postou em suas redes sociais imagens e vídeos de manifestações que acontecem em Estados como Rio de Janeiro, Pará e no Distrito Federal.

Informações: Folha de Boa Vista