Mariano Melo: “Estamos resolvendo essa situação de maneira política, por enquanto, por ser mais viável no momento” (Foto: Diane Sampaio / Folha BV)

A desapropriação de famílias que vivem em uma área com 44 quadras no Paraviana é preocupante, mas o representante da Comissão de moradores do bairro, Mariano Terço de Melo, está confiante que essa questão será resolvida o quanto antes. “Estamos resolvendo essa situação de maneira política, por enquanto, por ser mais viável no momento, porque via judicial vai demandar um tempo maior e vai virar um desgaste tanto para a União como para os moradores”, disse durante entrevista ao programa Agenda da Semana, apresentado pelo economista Getúlio cruz, na Rádio Folha FM 100.13, todos os domingos.

“A notificação de desapropriação não foi concluída. Algumas famílias já foram notificadas, mas ainda não foram retiradas em razão do prazo de 120 dias dado pela União. “Cabe ação anulatória, rescisória”, disse o representante dos moradores do bairro Paraviana. Ele explicou que todo o processo de aquisição por parte dos moradores quando obtiveram os terrenos foi legal. “As imobiliárias compraram terrenos de terceiros que, em posse dessas áreas, que foi um volume dimensional extenso, registraram no cartório de registro de imóveis e passaram a ser os donos legítimos”, disse Melo.

“Com isso os proprietários das imobiliárias publicaram um edital de chamamento para comercialização dos lotes, como determina a lei, venderam os lotes e não houve nenhuma parte questionada. O comprador recebeu contrato de compra e venda e de posse desse documento, ele é dono de fato, mas não de direito. Só passa a ser dono de direito quando registra esse contrato de venda em cartório de registro de imóveis. Foi isso que 95% fizeram. Hoje temos as escrituras públicas”, afirmou.

Informações: Folha de Boa Vista

 

 

DEIXE UMA RESPOSTA

Please enter your comment!
Please enter your name here