Dez venezuelanos bêbados foram presos na noite de sábado (2) por dano ao patrimônio público. Eles depredaram uma viatura do Exército, após uma confusão generalizada num dos abrigos para imigrantes, no bairro 13 de Setembro, zona Sul de Boa Vista.

Correção: A reportagem noticiou, a princípio, que se tratava de um veículo da PM. Contudo, a instituição retificou e disse ser um carro do Exército. A correção foi feita às 12h53.

Ao menos outros 10 estrangeiros que teriam participado do tumulto conseguiram fugir da polícia. Os suspeitos presos passaram a noite na Central de Flagrantes da Polícia Civil e na manhã deste domingo (3) foram levados para audiência de custódia.

Por pouco os venezuelanos não invadiram o Hospital da Criança Santo Antônio. A correria no local deixou as pessoas que estavam na unidade de saúde apreensivas. A reportagem apurou que a confusão se deu porque os imigrantes tentaram entrar no abrigo embriagados, desrespeitando as normas do Exército, responsável pela Operação Acolhida.

Segundo uma fonte policial que estava, os cerca de 20 imigrantes se revoltaram contra a equipe do Exército por terem sido impedidos de entrar. “Os estrangeiros começaram a jogar pedras contra os militares e xingá-los. Os militares estavam em número inferior e solicitaram apoio à PM, e foram em direção ao Hospital Santo Antônio para fugir dos ataques dos venezuelanos”, destacou a fonte.

Minutos depois, três equipes da PM chegaram ao local da confusão e os imigrantes continuaram a arremessar pedras e a desacatar os agentes, ocasião em que os policiais fizeram disparos para retomar a ordem.

“Não houve troca de tiros, mesmo porque os infratores só usaram pedras e xingamentos contra os militares. Todos os detidos estavam embriagados, uns mais, outros menos. Eles danificaram severamente uma viatura oficial e acabaram presos em flagrante por dano qualificado e desacato. Nenhum pagou a fiança arbitrada e foram encaminhados à audiência de custódia”, informou.

OUTRO CASO

Há poucos dias, em outro abrigo para imigrantes, próximo à Polícia Federal, outros venezuelanos também teriam promovido desordem e quebra-quebra no local por não aceitarem as imposições do Exército, mas nesta ocasião não houve prisão.

A reportagem aguarda manifestação da Operação Acolhida sobre o caso.

Informações: Roraima em Tempo – foto: Divulgação