Servidores de limpeza da Maternidade cobram do Governo três meses de salários atrasados

A própria direção do hospital informou ao MPRR que os estoques de vários medicamentos e insumos da unidade estão praticamente zerados - Foto: Yara Walker

Os servidores terceirizados da limpeza da Maternidade Nossa Senhora de Nazaré denunciaram à reportagem que estão há quase três meses sem salários.

Conforme um dos funcionários, que prefere não ser identificado, eles são contratados pela empresa União Comércio e Serviços LTDA.

De acordo com o servidor, os pagamentos começaram a atrasar logo após Leocádio Vasconcelos assumir como secretário da Saúde, no dia 23 de julho. Leocádio é o nono gestor em pouco mais de dois anos e meio.

Eles iriam iniciar uma greve, mas depois de Leocádio pedir mais tempo para regularizar os salários, os servidores decidiram aguardar.

“A empresa diz que não tem como pagar. Por isso, nós anunciamos uma greve. Em seguida, o governador Antonio Denarium [PP] ligou para o secretário e pediu para que esperássemos até hoje [18]. Mas não recebemos”, fala.

Conforme os denunciantes, sem os salários eles estão em situação precária. “Esperamos que eles resolvam esta situação, pois não dá para ficar sem salários, pois temos aluguel, água, luz e alimentação para pagar. A maioria dos servidores tem crianças”, diz.

Outras denúncias

Os atrasos no pagamento de salários dos terceirizados ocorrem em meio ao pagamento de ‘supersalários’ a médicos da Sesau, entre abril e setembro de 2021.

Conforme denúncia do Ministério Público do Estado (MPRR), um médico recebeu R$ 127 mil em agosto. No mesmo mês, um profissional que tinha recebido R$ 87 mil em abril, custou R$ 92 mil aos cofres públicos.

Depois disso, a Justiça de Roraima proibiu o pagamento de “supersalários” na Sesau. Além disso, pacientes e servidores denunciaram diversas vezes a falta de materiais e medicamentos na Maternidade e no Hospital Geral de Roraima (HGR), o que resultou em suspensão de cirurgias nas unidades.

Citado

A Sesau disse que o pagamento é de responsabilidade da empresa, e que o processo da União está em fase de renovação, sendo que ainda não chegou a fase de assinatura do contrato.

“A gestão ressalta que adota os procedimentos de renovação da lei 8.666/93, obedecendo as formalidades nela contida”, finalizou.

Informações: Roraima em Tempo