Roraima ainda é o único Estado do Brasil que não confirmou caso do Coronavírus. Mesmo assim, muitas medidas de prevenção já têm sido tomadas pelos órgãos públicos, dentre as mais efetivas estão as da Prefeitura de Boa Vista, capital onde vive mais de 70% de toda a população do Estado.

Mas, em caso de confirmação do primeiro infectado, sabe-se que a tendência da curva é aumentar e começarem a aparecer novas pessoas contaminadas. O principal questionamento da população é: E qual seria a capacidade do HGR em atender pessoas com sintomas graves e com a necessidade de UTI? 50? 100?

Roraima tem mais de 600 mil habitantes e, nos casos graves, não vai ter hospital particular que dê jeito, todos vão acabar caindo no HGR. O governo de Roraima poderia se adiantar e transformar o anexo do HGR que está parado, se deteriorando, em um grande salão com vagas de UTI para os casos mais graves, porque mais cedo ou mais tarde o vírus vai chegar por aqui.

Precisamos de ações enérgicas e urgentes para garantir que todas as pessoas que fiquem em estado grave possam ter uma chance de sobreviver em uma UTI com os respectivos aparelhos respiratórios.

A população brasileira também precisa do apoio irrestrito do Exército Brasileiro, que atualmente está empenhado 100% para atender aos Venezuelanos. Precisamos da garantia da ordem nos abrigos, da segurança e saúde dessas pessoas. O que vai acontecer quando o primeiro caso de Coronavírus aparecer dentro de um abrigo que está montado em Boa Vista?

É inadmissível chegarmos ao patamar da situação da Itália, que estão escolhendo quem vive e quem morre, deixando para trás quem tem mais de 80 anos, prevalecendo a vaga para aqueles que têm mais chances de sobreviver, segundo sites internacionais e nacionais.