PCCR: Proposta apresentada pelo Governo reduz salários de servidores da Saúde, dizem técnicos

Empresa que realiza manutenção de refrigeradores foi contratada em caráter indenizatório em março de 2019 (Foto: Ascom/Sesau)

Técnicos em enfermagem que trabalham em unidades de saúde estaduais estão insatisfeitos com a proposta de Plano de Cargos, Carreiras e Remunerações (PCCR) apresentada pelo Governo de Roraima na semana passada. Conforme a categoria, o cálculo usado para pagar o benefício reduz o salário dos servidores.

A proposta de PCCR do governo foi apresentada nesta quinta-feira (21) a entidades sindicais que solicitaram reajustes para servidores em protesto realizado na semana passada.

Atualmente, os técnicos recebem salário bruto de R$ 2,8 mil, com piso salarial de R$1,9 mil e demais benefícios. Com o reajuste, o piso salarial passa para R$ 2,8 mil, mas R$ 900 deste valor será pago progressivamente nos próximos três anos. Como consequência, em 2022, o salário será de R$2,2 mil, um prejuízo mensal de R$ 600.

Para o técnico em enfermagem Rossivan Guimarães, o método representa desvalorização da categoria, uma vez que beneficia demais cargos na Saúde Estadual.

“No caso dos enfermeiros, por exemplo, o salário passará a ser R$ 5,6 mil. Hoje, esse piso é R$ 3,9 mil. O que exceder o piso aprovado será pago de forma parcelada nos próximos três anos. Para os enfermeiros, esse cálculo é vantajoso. Mas, para categorias que recebem menos, como a nossa, o cálculo é prejudicial. Ele primeiro piora o nosso salário, e depois torna ele igual ao que já é hoje ao longo do pagamento de progressões”, criticou.

Rossivan contou que há um forte sentimento de indignação entre os profissionais da área. Para eles, a ideia de reajuste salarial perde sentido se ocorrer de forma em que o pagamento mensal seja reduzido.

“Como é que ele fala que não tem condições de pagar o que já recebemos e quer propor um reajuste que fará recebermos menos por mês? Isso não faz sentido. Em plena pandemia, nos dispomos a enfrentá-la, colegas morreram, e agora temos que lidar com isso?”, questionou.

SINDICATO

A presidente do Sindicato dos Profissionais de Enfermagem (Sindprer-RR), Maria de La Paz, explicou que o projeto é uma contraproposta aos reajustes propostos por sindicatos.

Ela afirmou que a entidade concordou em dispensar um plano de benefícios próprio em prol de um PCCR unificado para todas as categorias, como forma de garantir que o governo não terá dificuldades financeiras em pagar.

“O sindicato [de enfermagem] antes trabalhava em um PCCR próprio. Mas, os demais sindicatos criaram um PCCR único para todos os efetivados da Saúde. Propomos esse projeto, e o Estado nos deu uma contraproposta, com os pagamentos escalonados. O secretário diz que o governador só aceita um impacto em 40% do orçamento da Sesau. E para que o PCCR se enquadre nesse impacto, todas as categorias deveriam obedecer esse cálculo”, justificou.

La Paz ponderou que busca diálogo com o Executivo para que haja um cálculo diferenciado aos técnicos. “Eles estão muito insatisfeitos. E tanto os sindicatos quanto o Marcelo Lopes [secretário] já sabem disso. Buscamos um diálogo direto com o governador para que ele possa aliviar os técnicos desse cálculo, como uma excessão, pois eles sairão prejudicados se o projeto permanecer como está”, finalizou.

CITADA

A Sesau informa que está em tratativas com os representantes das classes sindicais, incluindo o Sindprer. Ressalta que o Governo de Roraima tem adotado para assegurar aos servidores estaduais o reconhecimento pelo trabalho executado.

Ressalta que estão sendo realizadas reuniões de alinhamento para a construção do PCCR, e desta forma os profissionais estão sendo ouvidos e tendo a oportunidade de participar do processo de elaboração, uma vez que seus líderes sindicais tem marcado presença nos momentos de diálogo com a gestão.

Durante reuniões realizadas este mês a gestão apresentou as propostas que estão sendo analisadas com muita cautela e atenção, pelo Governo do Estado, que tem total interesse de contribuir para a construção de um PCCR justo, valorizando os servidores públicos e respeitando os direitos trabalhistas de cada categoria, que atua na saúde roraimense.

É importante esclarecer que o Governo de Roraima, por meio da Sesau que estão sendo adotadas todas as medidas necessárias para que seja construído um PCCR que atenda os anseios dos profissionais de saúde, porém respeitando os limites orçamentários da Administração Pública.

Informações: Roraima em Tempo