Há dois anos, mulher cobra Governo por biópsia nas mamas

Mãe da paciente solicita com urgência atendimento para a filha – Foto: Ascom/SESAU

Jacqueline de Carvalho afirmou que a filha dela, Lorrana de Carvalho, aguarda há dois anos por um exame de biópsia nas mamas pela Secretaria de Estado da Saúde (Sesau).

A secretaria alegou em nota que Lorrana passou por consulta com um mastologista do Centro de Referência da Saúde da Mulher em março de 2021. Contudo, nunca voltou para marcar o procedimento nem retornou ao médico.

Jacqueline desmentiu o órgão. Ela disse que a resposta que sempre ouviu era a de que não tinha vaga.

Além disso, ela mostrou o encaminhamento mais recente da biópsia. Desse modo, o próprio Centro de Referência, no dia 15 de março, tinha marcado o exame para o dia 10 de maio de 2021.

“Chegamos lá nesse dia e eles nem responderam por que o exame não aconteceria. Só disseram que iriam ligar para a gente remarcando. O exame foi adiado. Eles que não fizeram. Já cansamos de ir lá e até hoje aguardamos. Até tentamos com um conhecido nosso que trabalha para o governo, ele tentou agilizar, e mesmo assim nunca foi marcado o exame”, reclamou.

Lorrana tem nódulos nos dois seios. Conseguiu se tratar em clínicas particulares e já fez ultrassom pelo menos três vezes (a última em outubro deste ano).

Encaminhamento mais recente é do dia 10 de maio – Foto: Arquivo Pessoal

No entanto, a biópsia das mamas, necessária para marcar cirurgia e avançar no tratamento, não é feita pelo particular em Roraima. Conforme Jacqueline, o único lugar por onde se realiza o exame no estado é pelo SUS.

“Eles sempre dão essa desculpa de que o paciente está errado e eles nunca estão. Estão é esperando a situação da minha filha se agravar. Esse governo é um lixo. Mas agora vou até o fim, vou colocar eles na Justiça”, desabafou a mãe.

Problemas são frequentes

Na terça-feira (9), a filha de um paciente que está há quatro meses em Fortaleza-CE relatou que eles não recebem o pagamento do TFD há um mês.

Em outubro, pacientes da Maternidade Nossa Senhora de Nazareth denunciaram que a unidade estava há uma semana sem medicamentos, materiais hospitalares e até lençóis para as gestantes.

Informações: Roraima em Tempo