Preço das carnes aumentou 8,09% no mês. Em 12 meses, IPCA avançou para 3,27%, acima dos 2,54% registrados nos 12 meses imediatamente anteriores, mas ainda abaixo da meta de inflação (Foto: Nilzete Franco)

O Índice Nacional de Preços ao Consumidor Amplo (IPCA), considerado a inflação oficial do país, acelerou para 0,51% em novembro, depois de ter ficado em 0,10% em outubro, segundo divulgou nesta sexta-feira (6) o Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística (IBGE).

“Este foi o maior resultado para um mês de novembro desde 2015, quando o IPCA ficou em 1,01%”, informou o IBGE. Em novembro de 2018, houve deflação de 0,21%.

A alta no mês foi puxada pela aceleração dos preços do grupo “Alimentação e bebidas” (0,72%), impactado principalmente pelo aumento do preço das carnes (8,09%), que exerceram o maior impacto na taxa de inflação do mês. O item representou, sozinho, 0,22 ponto percentual (quase metade) do IPCA de novembro.

A disparada do preço das carnes decorre principalmente da maior demanda da China e da desvalorização do real frente ao dólar. “Isso incentiva a exportação, restringindo a oferta interna e elevando o preço dos produtos”, destacou o gerente da pesquisa, Pedro Kislanov.

No acumulado no ano, a alta no preço das carnes chega a 12,15%. Em 12 meses, o avanço é de 14,43% – mais de 4 vezes maior que a inflação oficial do mês.

Variação dos preços das carnes no acumulada no ano:

  • Fígado: 9,42%
  • Carne de porco: 13,73%
  • Carne de carneiro: 1,68%
  • Contrafilé: 8,71%
  • Filé-mignon: 12,80%
  • Chã de dentro: 14,63%
  • Alcatra: 10,03%
  • Patinho: 11,94%
  • Lagarto redondo: 9,38%
  • Lagarto Comum: 12,36%
  • Músculo: 11,51%
  • Pá: 12,38%
  • Acém: 13,59%
  • Peito: 15,29%
  • Capa de filé: 15,54%
  • Costela: 14,18%
  • Inflação em 12 meses sobe para 3,27%

Com o resultado de novembro, o índice oficial de inflação acumula alta de 3,12% no ano. Em 12 meses, o IPCA avançou para 3,27%, acima dos 2,54% registrados nos 12 meses imediatamente anteriores, mas permanecendo abaixo da meta definida pelo governo para o ano (4,5%), o que sustenta as apostas de um novo corte neste mês na taxa básica de juros, atualmente em 5% ao ano.

Apesar da aceleração dos preços neste final de ano, a inflação segue comportada e em patamar baixo, favorecida pelo ritmo de recuperação ainda fraco da economia, desemprego elevado e demanda fraca.

Informações: G1

DEIXE UMA RESPOSTA

Please enter your comment!
Please enter your name here