Denarium minimiza falta de insumos e promete ressarcir quem comprou medicamentos

Devolução de dinheiro será feita mediante apresentação de nota fiscal à Secretaria de Estado da Saúde (Sesau) - Foto: Divulgação/Denarium

O governador de Roraima Antonio Denarium (sem partido) divulgou um vídeo nesta quarta-feira (31) no qual minimizou a falta de medicamentos na rede estadual de saúde e garantiu que familiares que compraram remédios para auxiliar no tratamento de pacientes internados podem conseguir ressarcimento mediante nota fiscal.

No registro, ele afirma que a pandemia está em situação controlada no estado e que a taxa de ocupação de leitos de Unidade de Terapia Intensiva (UTI) em Roraima, de 54%, é a menor do país. A pandemia já contaminou 89,5 mil pessoas, incluindo 1,3 mil mortes.

“Mesmo faltando medicamento em todo o Brasil, o Governo de Roraima vem mantendo medicamentos similares em estoque. […] Adotamos várias ações para que Roraima figure entre os estados com a situação mais controlada do país. Temos o abastecimento de oxigênio garantido, leitos com a menor taxa de ocupação do país e a luta constante para que as vacinas cheguem o mais rápido possível para nossa população”, disse o governador.

Contudo, a Fundação Oswaldo Cruz (Fiocruz) já sinalizou que a incidêndia de casos de coronavírus em Roraima é considerada “muito alta”, o que deixa o estado em zona vermelha. A média de crescimento diário de pessoas infectadas é de 1,4%. A taxa de mortalidade é a terceira mais alta da região Norte, segundo o Ministério da Saúde.

O vídeo foi divulgado pelo governador no mesmo dia em que o jornal Roraima em Tempo publicou uma reportagem especial em que mostra o drama de familiares que precisaram comprar medicamentos em Manaus devido à falta de insumos no Hospital Geral de Roraima (HGR).

Em retorno à equipe, o governo informou que foram abertos dois processos para aquisição de atracúrio, pancurônio e dexametasona. “Além disso, o medicamento Suxametônio que tem em estoque, está substituindo os medicamentos atracúrio e rocurônio, que estão em falta em todo o país, sem alteração no tratamento clínico do paciente”.

RESSARCIMENTO

De acordo com a Secretaria de Estado da Saúde (Sesau), familiares têm direito ao ressarcimento do valor gasto com a compra de qualquer medicamento que não esteja disponível na unidade no momento do atendimento.

“O responsável pode procurar da Ouvidoria da Sesau, no telefone: (95) 98410-6188 e no email: [email protected], de segunda a sexta-feira, das 8h às 18h, para fazer a solicitação”, menciona nota.

Nas imagens, Denarium reforçou essa assistência. Apesar disso, alguns internautas reclamaram da necessidade de mostrar nota fiscal para que o ressarcimento seja feito, uma vez que há familiares que compram sedativos sem receitas médicas devido à proibição de venda do insumo em farmácias.

“Os remédios sedativo que não tem no HGR estão sendo comprados em Manaus não podem ser preescrevidos pelo médico, governador. Como iremos repor esse valor se não temos prescrição, pois só o governo pode comprar?”, menciona um comentário.

Assista:

‘PEDIDOS DE AJUDA’

As críticas não ocorrem só entre internautas. Em entrevista à Rádio 93FM, nesta quarta-feira (31), o deputado federal Nicoletti afirmou que a assessoria parlamentar recebe constantemente pedidos de ajuda para comprar medicamentos para tratar pacientes com Covid-19 no Hospital Geral de Roraima (HGR).

O parlamentar disse que há empresas em Brasília e São Paulo que podem fornecer os itens em falta, essenciais nas UTIs. Ele ponderou que acredita que apenas uma empresa forneça os medicamentos para a Sesau, e, quando não os envia, o governo alega falta no mercado nacional.

“Triste ver o governador divulgando, como se fosse uma grande notícia, que vão reembolsar todos os gastos que as pessoas tiveram. Saúde pública quem tem que fornecer medicação é o Estado e ele tem dinheiro. Quer dizer que ele está liberando as pessoas para correrem atrás de medicação e depois pedir reembolso? Absurdo!”, declarou.

Informações: Roraima em Tempo