A fronteira do Brasil com a Guiana, entre os municípios de Bonfim, em Roraima, e Lethem, no país vizinho, deve permanecer fechada pelo menos até o final de setembro. A estimativa foi dada pela secretária municipal de saúde do Bonfim, Lisete Spies, em entrevista à Rádio 93 FM, nesta sexta-feira (21).

Ela explicou que o Governo Federal deu um prazo para que o Brasil abra o lado da fronteira no dia 22 de setembro. Entretanto, casos de coronavírus na Guiana dispararam no início do mês, o que pode adiar a abertura por parte do país.

“Conversei com médicos do hospital de Lethem, e agora que estão surgindo mais casos por lá. Isso ocorre pois ainda existem pessoas que insistem em atravessar a fronteira de forma clandestina”, explicou.

Lisete disse ainda que existe outro fator: as comunidades indígenas que ficam nos dois lados da fronteira. “Elas são muito integradas. Querendo ou não, o vírus circula entre elas. Na Guiana, mesmo com lockdown severo, o vírus continua se espalhando entre as comunidades por causa disso”, acrescentou.

A gestora também contou que uma das maiores dificuldades para controlar a propagação do coronavírus foi adquirir Equipamentos de Proteção Individual (EPIs), no início da pandemia, pois os preços dos produtos dispararam, e se tornaram cada vez mais escassos no mercado.

“O prefeito conseguiu recursos através de emendas parlamentares e incentivos do Governo Federal para fazer o monitoramento. Criamos um centro de atendimento à Covid, onde colocamos equipe multidisciplinar, complementando a nossa Atenção Básica, pois apenas ela seria insuficiente para a demanda que tínhamos. Para evitar que pessoas se desloquem, demos a possibilidade de poder ligar para o centro, e marcar o atendimento em casa”, afirmou.

Mesmo com o trabalho já feito até o momento, e retorno parcial do comércio, a secretária reforçou que a população deve continuar com isolamento social. “Estamos em baixa no momento, mas pode existir outro pico. Por isso, reforçamos que pessoas que estão trabalhando usem álcool em gel, e, claro, nunca saia de casa sem a máscara”, alertou.

Bonfim já registrou 664 casos confirmados de coronavírus até quinta-feira (20), segundo a Secretaria de Estado da Saúde (Sesau). Desse quantitativo, há 77 recuperadose 11 mortes. Outros três óbitos estão em investigação.

Informações: Roraima em Tempo