Airton Cascavel pode ser indiciado na CPI da Covid

O atual secretário de Saúde de Roraima fez passagem rápida no Ministério da Saúde como assessor do ex-ministro Eduardo Pazuello

O novo secretário de Saúde de Antonio Denarium (sem partido) pode ter vida curta na função. Airton Cascavel fez passagem rápida no Ministério da Saúde como assessor do ex-ministro Eduardo Pazuello e pode ser convocado para prestar esclarecimentos na CPI da Covid do Senado Federal. A solicitação foi feita e ainda deve passar pela apreciação do grupo. O objetivo da convocação de Cascavel é falar sobre o caos registrado no Amazonas, no início deste ano, com a segunda onda.

Muitas mortes no Amazonas foram causadas pela falta de oxigênio. Os grandes veículos de comunicação mostraram a aflição de pacientes e familiares que esperavam a liberação de carga de oxigênio, essencial no tratamento contra a Covid-19. A ajuda veio de onde menos se esperava: de artistas e até do governo venezuelano, do ditador Nicolás Maduro, inimigo de Jair Bolsonaro. O Brasil foi criticado pelo venezuelano e teve que aceitar a crítica de um país totalmente desestruturado.

SEDATIVO – Manaus também foi destaque nacional com a denúncia da falta de sedativos para pacientes com Covid, situação que ocorreu em Roraima, levando famílias a se deslocarem para o Amazonas, na busca de medicamentos no mercado clandestino. Vários foram os pacientes que morreram enquanto as famílias realizavam ações para arrecadar dinheiro e conseguir comprar os sedativos.

DEVOLUÇÃO – No auge das críticas pela falta de sedativos, o governador Denarium teve um ideia. Foi para as redes sociais e prometeu devolver dinheiro de quem comprovasse ter comprado qualquer medicamento para tratar pacientes internados no Hospital Geral de Roraima (HGR) ou qualquer unidade estadual. À época, a informação gerou polêmica, especialmente porque no caso dos sedativos seria impossível comprovar compra ilegal.

MAR DE MENTIRAS – Porém, independente dos sedativos, até hoje ninguém mostrou ter conseguido recuperar o dinheiro investido no tratamento de um paciente internado. Além das críticas por se propor a devolver um dinheiro relacionado a itens que são obrigação do governo estadual fornecer, Denarium está se passando mais uma vez por mentiroso.

DEVOLVE A VIDA – Quando o governador lançou essa ideia absurda, algumas pessoas perguntaram se ele traria à vida aqueles que se foram pela negligência e corrupção que tomou conta da gestão de Denarium. O governo não respondeu. Outros queriam saber se Denarium iria reembolsar vidas perdidas. Mais uma vez, o silêncio foi resposta. O mínimo que Denarium deveria fazer era um pedido público de desculpas. Afinal, ele prometeu muita coisa na campanha, mas não cumpriu. O próprio combate à corrupção que matou na pandemia foi completamente esquecido pelo governador.

KIT CESTA E CAIXÃO – A internet não perdoa! Nesta terça, o que chamou a atenção foi uma publicação mostrando o Kit organizado por Denarium. A mensagem dizia que o governo montou uma espécie de kit ou combo de cesta básica. Junto com os alimentos, a infecção do coronavírus. Para alertar sobre os riscos da prática irresponsável de aglomeração incentivada por Denarium, a mensagem trazia uma imagem de um paciente intubado. Apesar de chocante, não deixa de ser verdade.

CPI’S – Enquanto todo mundo deve ficar de olho no depoimento do ex-ministro Pazuello na CPI do Senado, em Roraima, a expectativa é para a participação do ex-secretário Marcelo de Lima Lopes na CPI da Saúde. O depoimento está previsto para a próxima semana. Marcelo deixou claro que não saiu da Secretaria de forma tão amistosa. Porém, é pouco provável que ele exponha algo que possa comprovar irregularidades na pasta, considerando que ele próprio foi indicação do deputado estadual, Jalser Renier (SD), e que já está claro para todo mundo, o uso político que é feito da Secretaria Estadual de Saúde. Denarium abandonou suas promessas de campanha e o povo. Mas, não deixou seus aliados políticos e empresários desamparados. Muito do caos registrado na saúde estadual é resultado dessa decisão.

Informações: Roraima em Tempo