Um relatório do Conselho Regional de Medicina de Roraima (CRM-RR) apontou alto risco de contaminação e infecção hospitalar a pacientes submetidos a procedimentos cirúrgicos e invasivos realizados no Hospital Geral de Roraima (HGR). O motivo é a falta de equipamentos para esterilizar materiais cirúrgicos.

O documento foi elaborado após uma fiscalização realizada no maior hospital público do estado, no dia 21 de maio. De acordo com o CRM, os materiais usados em cirurgias devem passar por três testes de segurança de esterilização, mas a unidade não dispõe de nenhum deles.

Em nota, a Secretaria Estadual de Saúde, informou que os itens necessários para a realização de procedimentos cirúrgicos estão sendo adquiridos por meio de dois processos licitatórios, um em caráter emergencial e o outro anual, ambos em fase final de tramitação. (Confira a nota na íntegra abaixo).

O relatório revelou também que estão ocorrendo cirurgias de urgência e emergência com material cirúrgico possivelmente contaminado. Desde o dia 13 deste mês, a direção do HGR suspendeu as cirurgias eletivas (aquelas agendas previamente) por tempo indeterminado pela falta de material cirúrgico esterilizado.

Nessa terça (28), a presidente do CRM, Rosa Leal disse que o relatório será encaminhado aos órgãos de controle para conhecimento e realização da medidas necessárias.

“Os médicos continuam sem ter condições de trabalho e a população sem atendimento de qualidade. Mais uma vez, o CRM – RR traz a tona as necessidades urgentes de melhorias na saúde pública de Roraima”, comentou.

A fiscalização também constatou que apenas duas das três máquinas de esterilização que existem no HGR estão em funcionamento. Além disso, o termodesinfectador, usado para a lavagem dos materiais, comprado há seis meses nunca foi instalado e por esse motivo o trabalho está sendo feito de forma manual.

A ação do conselho destacou outras irregularidades como a falta escova para higienização correta das mãos, carrinhos de anestesia quebrados, salas inaptas, falta de impressão dos exames radiológicos de imagem, inexistência de prontuário eletrônico e outras inconstâncias.

Nota da Saúde na íntegra

A Sesau (Secretaria de Saúde) informa que está trabalhando para regularizar o estoque de materiais médico-hospitalares das unidades estaduais de saúde. Os itens necessários para a realização de procedimentos cirúrgicos estão sendo adquiridos por meio de dois processos licitatórios, sendo um em caráter emergencial e o outro anual, ambos em fase final de tramitação.

Informa ainda, que se tornou necessário à realização de um contingenciamento desses materiais, e que por esse motivo, as cirurgias eletivas, que são aquelas que podem esperar, estão temporariamente suspensas, para priorização das cirurgias de urgência e emergência.

Tão logo esses materiais sejam entregues ao Estado, os procedimentos cirúrgicos eletivos serão retomados, conforme leis vigentes de priorização da Fila Única do SUS.

Informações: G1 Roraima