Protestos dos policiais civis na semana passada: delegados passam a receber até R$ 33 mil, conforme nova proposta – Foto: Edinaldo Morais

O presidente da Associação de Delegados da Polícia Civil de Roraima (Adepol-RR), Cristiano Camapum, repudiou a posição dos policiais civis contra o reajuste de até 47,8% nos salários da categoria.

Em nota enviada à imprensa, a presidência afirmou que as manifestações pelo veto à proposta representam “atos de insubordinação” do Sindicato dos Policiais Civis de Roraima (Sindpol-RR).

De acordo com a nota, uma carta foi entregue ao governador Antonio Denarium (PSL) e ao delegado geral Hebert Amorim, com pedido de exoneração dos cargos comissionados até que “a ordem e respeito sejam estabelecidos”. O Roraima em Tempo questionou se a exoneração já foi feita ou se seria concretizada apenas se o Projeto de Lei não fosse sancionado, mas não houve resposta.

“Verdadeiro desrespeito aos delegados, criando factoide, mentiras, ofendendo a honra, denegrindo a imagem, agredindo nossas famílias com dossiês falsos, pregando a insubordinação por pirraça, tudo jogo sujo. Ao invés de buscar os direitos dos sindicalizados, buscam somente desrespeitar e atacar a carreira de delegado”, cita a Associação. O Sindpol já sinalizou a possibilidade de greve geral com outras secretarias, caso o reajuste seja aprovado.

A Adepol enfatizou que o aumento nos salários, que elevariam a remuneração na classe especial para R$ 33 mil, é uma reestruturação e que o mesmo poderia acontecer às outras nove categorias “se isso realmente fosse interesse deles, o que não demonstraram”. Além disso, a entidade afirmou que os policiais preferem não avançar desde que os delegados permaneçam onde estão.

Segundo a nota, os delegados são parte fundamental nos serviços prestados pela Polícia Civil. “O delegado nas funções de comando administra toda a polícia e as delegacias, seguindo os ditames do Executivo. Se a polícia ficar sem o cérebro, o caos estará instalado. Toda a parte administrativa ara. Se essa for a decisão, paciência”, complementou.

ENTENDA

O Projeto de Lei que garante o reajuste de quase 50% nos salários foi aprovado pela Assembleia Legislativa de Roraima (ALE-RR) e encaminhado para sanção do chefe do Executivo. Entretanto, com o conhecimento da proposta, as demais categorias realizaram uma manifestação contra o aumento, justificando que não há equidade aos demais cargos.

Durante reunião com Denarium, a classe pediu veto à proposta e solicitou que um novo projeto incluísse todas as dez categorias de forma igual.

SINDPOL

O presidente do Sindpol, Leandro Almeida, esclareceu que o sindicato não teve acesso ao documento e nem a declarações oficiais, somente mensagens. “Há muitas informações circulando, mas sem autor definido ainda”, disse. Somente após a análise da carta, o sindicato manifestará posicionamento.

Informações: Roraima em Tempo