Família de idosa com câncer reclama da falta de informação sobre fila para cirurgia no HGR

A família da idosa Luiza Xavier, de 83 anos, que sofre com câncer no ovário, nessa quarta-feira (8) denunciou a falta de informações sobre o andamento da fila para cirurgias na Unidade de Oncologia de Roraima (Unacon), localizada no Hospital Geral de Roraima (HGR), em Boa Vista.

“Nós ficamos no escuro”, afirma a servidora pública Ione Xavier, de 42 anos, filha da idosa. Ione disse que a mãe aguarda na fila há cerca de dois meses para fazer uma biópsia.

A idosa, segundo a filha, possui um marca-passo que a impede de realizar uma ressonância magnética. Luiza sofreu três Acidentes Vascular Cerebral e se locomove com dificuldade.

“Eles não estão informando a posição das pessoas nessa fila de espera e justificam dizendo que ‘não é para o paciente criar expectativas’. Liguei várias vezes para saber, eles já me odeiam por lá”.

“Eles não podem reter esse tipo de informação, não é nada sigiloso, não é nada referente à segurança nacional. A lista precisa estar disponível, ainda mais com doenças graves como o câncer. Como que vai dizer para alguém com câncer para não criar expectativas, isso não existe. Isso é um absurdo”, denuncia a filha.

De acordo com Ione, a frustração se dá por conta da falta de informações sobre o tipo câncer que a mãe é portadora.

“A única coisa que sabemos é que são vários tumores, um tipo raro e muito agressivo. Eu só quero saber a posição dela na fila para que eu possa me programar, pois sou mãe de duas crianças e servidora pública. Eles seguiram dizendo que não dão informações para não ser ‘perturbados'”.

Luiza Xavier tem 83 anos e sofre com um câncer raro no ovários — Foto: Ione Xavier/Arquivo Pessoal

Procurada, a Secretaria de Saúde de Roraima (Sesau) informou, em nota, que na Unacon todos os pacientes e familiares são atendidos e orientados em relação à cirurgia durante a consulta médica.

Frisou também que “informações sobre pacientes só podem ser emitidas de forma presencial e diretamente ao paciente ou familiar, após a apresentação de um documento de identificação”.

Outra situação que a filha da idosa denunciou é a ausência do profissional encarregado de manter a família informada na unidade. De acordo com ela, o servidor “nunca está lá”.

“A enfermeira responsável raramente se encontrava no local para dar a informação. Fiz a reclamação por escrito e fui respondida, com poucos dias. Segundo eles, a enfermeira tinha se ausentado por motivo de saúde, o que nunca me foi informado, sempre diziam que estava em alguma reunião”.

“Quando eu prestei a queixa na ouvidoria ela [a enfermeira] falou que a lista fica disponível, mas não fica, ninguém tem acesso. Agora, a quem interessa esconder o acesso da lista para a fila de espera de cirurgia contra câncer? Quero saber. Isso é muito suspeito”, questiona a filha.

Sobre o relato, a Sesau informou que existe um balcão para informação, que funciona de segunda a sexta-feira, na entrada da Unidade, das 7h às 19h.

“Sempre há um servidor do setor administrativo para esclarecimentos de dúvidas, uma vez que os enfermeiros integram a equipe multiprofissional da Unidade e desempenham as atribuições que competem ao cargo”, disse a Secretaria.

Informações: G1 Roraima