Câmeras de segurança chegaram a ser instaladas, mas 10 anos depois ainda não funcionam em nenhum dos municípios de Roraima (Foto: Nilzete Franco/FolhaBV)

Lançado no final de 2008, como ferramenta de combate à criminalidade, o projeto de monitoramento através de câmeras de segurança espalhadas pelas principais ruas, avenidas e praças de Boa Vista e de cidades do interior do Estado, até hoje não funciona.

O sistema Enafron (Estratégia Nacional de Segurança Pública nas Fronteiras), foi planejado por meio de convênio com a Senasp (Secretaria Nacional de Segurança Pública), iniciado em 2013 e implementado em 2015, cujo objeto foi a instalação de 77 câmeras de videomonitoramento na capital, Boa Vista, 9 em Bonfim, 9 em Caracaraí, 9 em Pacaraima e 9 em Rorainópolis.

Mas o Enafronsó teve as primeiras câmeras instaladas em 2013, na gestão do governador José de Anchieta Junior e até hoje o programa não teve seus investimentos voltados para facilitar o trabalho da policia no combate ao crime.

O projeto inicial foi anunciado pela Sesp em 2008 com a instalação das câmeras em pontos considerados estratégicos para o Sistema de Segurança Pública. À época o secretário Francisco Sá Cavalcante disse que o projeto era importante, mas não seria a solução para os problemas de segurança.

Segundo o secretário, a previsão era de que até o dia 20 de dezembro de 2013 Boa Vista estaria trabalhando com o sistema de vídeomonitoramento completo e as imagens monitoradas seriam compartilhadas com as instituições de Segurança, auxiliando na identificação de criminosos e no trabalho investigativo. A previsão não se concretizou até hoje.

O projeto seria completado com a montagem de uma sala de monitoramento no Centro Integrado de Operações de Segurança (Ciops) no prédio da Sesp e realizada a interligação entre as câmeras. A sala era monitorada por uma equipe de alunos estagiários do Curso de Segurança Pública através de convênio com a UERR.

Além das 80 câmeras instaladas nas ruas e avenidas da capital, mais 21 câmeras foram anunciadas que seriam instaladas em três praças: Mané Garrincha, no bairro Tancredo Neves, do Cambará, no bairro de mesmo nome, e Parque Germano Augusto Sampaio, no bairro Pintolândia. Nestes locais, o monitoramento das câmeras seria feito por um micro-ônibus com o apoio de duas motocicletas.

Em 2015, no governo de Suely Campos, foi apresentado um projeto de restabelecimento do programa de monitoramento das principais ruas e avenidas de Boa Vista. À época, o secretário de segurança, Januário Lacerda, disse que pretendia colocar em prática no máximo em 90 dias. O que também não aconteceu.

No final do ano passado, a Sesp informou que apenas 12 câmeras estavam em funcionamento na Capital.

Governo diz que vai retomar projeto de monitoramento

A reportagem tentou obter informações atualizadas sobre como está hoje o trabalho de monitoramento do programa junto à Secretaria de Segurança Pública (Sesp), quantas câmeras estão em funcionamento e se o Governo do Estado tem interesse em revitalizar o programa. Em nota, a Secretaria de Segurança Pública de Roraima informou que o compromisso formal de gerir, manter e ampliar o sistema era do Poder Público Estadual, à época, 2015, porém, os responsáveis por todas as ações que envolviam o sistema de monitoramento através das câmeras de segurança, supostamente não seguiram o plano de manutenção que previa o projeto, motivo pelo qual o sistema encontra-se inoperante.

“Nesse sentido, ao tomar conhecimento da problemática, o secretário de Segurança Pública, Coronel Olivan Junior, em recente reunião em Brasília, apresentou ao secretário Executivo do Ministério da Justiça e Segurança Pública, Luiz Pontel, o plano de revitalização do referido projeto, com ensejo de atender a essa importante demanda”, concluiu a nota.

Informações: Folha de Boa Vista