O Parque Linear do Cinturão Verde foi entregue à população na noite desta sexta-feira, 2. Está localizado na travessa José Francisco, no bairro Cinturão Verde, entre as avenidas dos Bandeirantes e do Imigrantes, na zona oeste da capital.

O parque conta com uma área total de mais de 19 mil metros quadrados e assim como o Mirandinha, contempla uma grande área verde margeando o Igarapé Pricumã. A partir de agora, é o mais novo espaço de lazer, recreação e contemplação da natureza para a população, além de ser palco de práticas esportivas, culturais e sociais.

O local foi equipado com: playground com piso emborrachado, academia ao ar livre também com piso emborrachado e calçadas para passeio. Conta ainda com urbanização, paisagismo, iluminação de LED e acessibilidade.

E como a Primeira Infância é prioridade em Boa Vista, o parque também ganhou um exemplar da Selvinha Amazônica – Uma mãe Tatu e dois filhotes. Com mais esta cena, são 12 espaços públicos que possuem os animais da fauna local em tamanho gigante e que trazem tanta alegria para as crianças e 27 praças revitalizadas ou construídas do zero.

A prefeita Teresa Surita destacou que o que tem de mais importante é ocupar os lugares na cidade onde as pessoas se identificam com eles.

“Já temos o Mirandinha, que é exatamente como aqui, margeando o igarapé e nós colocamos mais uma cena da Selvinha com os tatus. E você vê realmente que as pessoas se identificam com o espaço e isso traz mais qualidade de vida. Tenho certeza que eles vão cuidar daqui, pois esse era um desejo antigo que virou realidade”, enfatizou.

A moradora do bairro Cinturão Verde Rosíris Souto Maior aprovou o Parque Linear. “Aqui antes tinha muito lixo, animais mortos e era muito escuro. E hoje tenho a oportunidade de estar aqui desfrutando desse espaço maravilhoso com as crianças, um espaço que não só serve para o público infantil como para os adultos também. Nós moradores do bairro só temos a agradecer por essa maravilha” comemorou.

A pesquisadora Aline Maria da Silva nasceu e se criou no Cinturão Verde. Hoje já não mora mais no bairro, mas sempre vem visitar a mãe. “Tenho muitas lembranças do antes e do depois e de como esse local se transformou com a obra. Fico muito feliz de poder vir visitar a minha mãe e termos um local para diversão das crianças e até nossa mesmo”, concluiu.