Um idoso morreu após passar muito tempo esperando por uma cirurgia que não aconteceu por falta de material no HGR (Foto: Edinaldo Morais)

Apesar das muitas promessas e campanhas de marketing do Governo do Estado, nada disso tem sido eficiente para resolver o caos da saúde em Roraima. Prova disso são as centenas de reclamações feitas por pacientes e familiares, que passam algum tipo de transtorno no Hospital Geral de Roraima, inclusive ocorrências de óbitos.

Um desses casos recentes é de um senhor que morreu aos 84 anos na madrugada do último dia 19 no HGR, devido a uma fratura no fêmur. O problema é que o paciente deveria ter passado por uma cirurgia, que não ocorreu devido à falta de material na unidade hospitalar.

O tempo de internação, passando por transferências – para o Hospital das Clínicas – sem que qualquer medida fosse tomada, agravou a situação do idoso, vindo à óbito. Ao todo, segundo a família, foram 64 dias de provações e angústias.  “Nada trará nosso pai de volta, mas a falência do HGR é inquestionável, pessoas morrem todos os dias por descaso ou falta de material ou de medicamento”, postou a filha, numa rede social.

Um internauta comentou na postagem ter passado por situação semelhante. “Meu pai também faleceu quase nas mesmas condições. A pessoa se sente impotente. Fui em todo lugar possível, mais infelizmente ele faleceu. Como foi falado, nada traz ele de volta. E isso acontece todos os dias. Isso é normal lá dentro. Muito triste”.

Outro internauta também criticou a inércia do Governo do Estado. “Meu sentimento de revolta e decepção é tão grande quanto o seu. Estamos à deriva. Entra governo e sai governo e ficam colocando a culpa da situação nos gestores passados, sendo essa desculpa muito sem lógica, resultado das escolhas. Lamento pela sua perda, sinceramente”.

Postagem da filha do idoso que morreu no HGR

Outro lado – De acordo com a Coordenação Geral de Avaliação, Regulação e Controle (CGRAC), da Secretaria Estadual de Saúde (Sesau), atualmente são 7.176 pacientes na fila de espera por uma cirurgia no HGR. A falta de insumos nos últimos três meses foi uma das causas do atraso em atender todos, já que algumas empresas não concordaram em realizar os fornecimentos dos instrumentos necessários para o pleno funcionamento das unidades do Estado, a exemplo do HGR. Essa negativa ocasionou um acréscimo na fila única do Sistema Único de Saúde de 1.658 pacientes.